ELEIÇÕES 2014. Insurgência, a ala descontente do PSOL lança pré-candidato à presidência da República

POR MAIQUEL ROSAURO

Os membros do Partido Socialismo e Liberdade (PSOL) elegeram o senador Randolfe Rodrigues (PSOL/AP) como candidato do partido à presidência da República no pleito de outubro. Mas a eleição que ocorreu no congresso do partido, em 1º de dezembro de 2013, é contestada. Na ocasião, Rodrigues venceu a ex-deputada federal Luciana Genro (RS).

ELEIÇÕES 2014. Insurgência, a ala descontente do PSOL lança pré-candidato à presidência da República - RENATO-ROSENO--300x281

Renato Roseno, novo pré-candidato à presidência da República

Renato Roseno, advogado e candidato a prefeito de Fortaleza (CE), em 2012, surge como novo pré-candidato à presidência pelo PSOL. Roseno tem 43 anos e é advogado das lutas populares. Nascido em São Paulo (SP), foi criado em Fortaleza, onde disputou a eleição para a prefeitura em 2012, conseguindo quase 150 mil votos (11,8%).

O nome de Roseno foi lançado por militantes descontentes com os rumos do partido e também devido a pré-candidatura a presidente de Rodrigues. Os apoiadores de Roseno afirmam que o nome do senador não representa a militância da sigla e que sua escolha como candidato foi inválida, porque segundo o estatuto do partido apenas a Conferência Nacional Eleitoral pode definir candidaturas, e não o Congresso Nacional do PSOL, no qual Rodrigues foi escolhido.

A militância também afirma que a maioria congressual que escolheu o senador como candidato é fraudada e não representa a base real do partido. Na próxima semana eles prometem intensificar a divulgação do novo pré-candidato

Leia abaixo nota da Insurgência, tendência interna do PSOL, defendendo a pré-candidatura de Renato Roseno:

Nota da Coordenação Nacional da Insurgência

O IV Congresso do PSOL, realizado em Luziânia, representou um grave retrocesso para o partido, no sentido da sua afirmação como um projeto plural, independente, socialista, à altura da nova conjuntura do país e dos desafios da reorganização do movimento de massas. A indicação da pré-candidatura do senador Randolfe Rodrigues à presidência da República e a legitimação de delegados eleitos em plenárias com fraudes e intimidações foram expressões máximas deste retrocesso político e moral imposto ao PSOL neste Congresso.

Cabe um profundo questionamento às decisões tomadas, não apenas pelo comprometimento da democracia, mas também por seu conteúdo político. O sentimento de que a pré-candidatura de Randolfe não representa a maioria da militância é legítimo, tanto por parte dos delegados necessários para viabilizá-la ter sido eleita com expedientes escusos, quanto por não representar as novas gerações e suas aspirações, que se expressaram nas ruas de junho. Ela não está à altura de representar o significado e razão de ser do PSOL em toda a sua história: a de um partido anticapitalista e socialista amplo, de oposição de esquerda. Randolfe não nos representa!

Este retrocesso nos permite chegar às seguintes conclusões:

1) O PSOL está cindido entre dois projetos inconciliáveis. O que obteve leve maioria no Congresso é um projeto de colaboração de classes e institucional, que vai apostar suas fichas para fazer o PSOL trilhar o caminho da institucionalidade para chegar ao poder. Ou seja, é uma repetição caricata do que terminou sendo a trajetória do PT e uma negação do projeto original psolista.

2) A luta pelo PSOL não está encerrada e nem esgotada. É uma luta de médio prazo, pois serão a lutade classes, a intensidade dos ascensos das ruas, bem como o enfrentamento interno ao partido que prossegue, que darão a palavra final sobre o que será o PSOL. Esta luta será, e já é, uma luta duríssima, mas também cheia de possibilidades. Em 2014, a esquerda partidária deve se reagrupar e ganhar as ruas, para defender com seu peso e suas campanhas a concepção de partido que estamos disputando.

3) Consideramos que até a convenção do partido Randolfe é apenas um pré-candidato. Mantemos a defesa da realização de uma Conferência Eleitoral a ser realizada sem os vícios do Congresso, que reabra o debate da indicação do partido à candidaturade presidente da República. Este fórum deverá também decidir o perfil programático e de alianças do partido. Uma Conferência Eleitoral é um direito democrático da militância psolista. E considerando as circunstâncias do Congresso, não é possível outro mecanismo para construir a legitimidade de uma candidatura.

4) Colocamos o nome do companheiro Renato Roseno à disposição dos setores do partido que se propõem a continuar a luta por uma candidatura que represente a conjuntura aberta em junho e as posições de esquerda do partido.

5) Mantemos a defesa do Bloco de Esquerda como espaço estratégico de unidade das forças de esquerda no partido, necessário para a luta pela afirmação do PSOL como partido de oposição de esquerda programática e socialista, mesmo se uma parte das companheiras e companheiros que o compõem optarem por apoiar a pré-candidatura Randolfe.

6) Afirmaremos de forma muito clara nos espaços do partido, nas ruas e nas lutas sociais, um perfil de programa de esquerda para a disputa eleitoral.

7) Atuaremos ativamente para que os setoriais do partido se contraponham a todos os posicionamentos da candidatura Randolfe Rodrigues que neguem o acúmulo partidário.

8) Estimularemos a aprovação de moções e resoluções de defesa da Conferência Eleitoral por diretórios do partido, nos moldes do que foi feito no Paraná e no Ceará, levando em conta o contexto específico de cada estado ou município.

2 de fevereiro de 2014
Coordenação Nacional da Insurgência



4 comentários

  1. Fernando Ferdinando

    Se tiver prévias vou de Roseno, mas só se tiver. Como sei que não vai ter vou de Randolfe!

  2. Mauro Bianco

    Peçam uma assessoria à ARENA sobre como resolver esses conflitos internos com eficácia, eficiência e efetividade hehehehe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *