E quem pensava que seria diferente?

Consta que ambulantes, camelôs e artesãos não querem ir para o Cine Independência. Mas, alguém tinha a ilusão de que pensassem diferente? Vamos combinar que eles, ou pelo menos seus líderes, pensam numa única coisa: o seu próprio, único, exclusivo benefício.
      Já a responsabilidade dos administradores públicos é exatamente o que diz o termo. Têm que se preocupar com o público – e ele é muuuuuito maior que o interesse individual de quem quer que seja.
      Prevejo, no entanto, que haverá necessidade, antes de uma atitude mais radical, e até jurídica, uma bem azeitada negociação. Que terá sucesso, eu espero, para o bem do todo. Isto é, da sociedade. Que é o que conta. Em isso acontecendo, haverá ganhos inequívocos para o cidadão – aí incluídos, obviamente, também camelôs, artesãos e ambulantes.



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *