Coluna Observatório: a seção “Não custa lembrar”

Já vem de longe o vai-e-vem de Cláudio Rosa.
     
      Em 20 de abril de 2002:
     
      Cláudio Rosa estaria de malas prontas para trocar de partido. E estaria estudando duas opções: PPS e PTB. Optando pelo PPS, Rosa seria mais um neoneocomunista. Nessa sigla se sentiria em casa: nela reencontraria o ex-governador Antônio Britto e seus aliados, todos egressos do PMDB.
      Já o PTB tem como principal atrativo a figura carismática do campeão de votos, Sérgio Zambiasi, e cuja estrutura é ainda de longe maior que a do PPS no Estado. A decisão, sim ou não, deve sair nos próximos dias. O vereador na verdade não precisa ter pressa pois os planos agora estão voltados para 2004. Mas a decisão de hoje definirá o seu futuro.
     
      Hoje:
     
      Se passaram três anos e um mês, mais um dia, da publicação ao lado, na seção Luneta. De lá para cá, é recorrente a história de Cláudio Rosa se mandar do PMDB – o que até hoje não ocorreu. Os destinos só não são os mesmos porque o PPS está no governo municipal, detestado pelo presidente do PMDB/SM.
      O PTB, de todo modo, sorri diante da possibilidade de ter um vereador. O interessante é que, agora, os prazos são curtos. Se quiser sair, Rosa terá que fazê-lo até 30 de setembro – prazo máximo para troca de sigla dos que pretendem concorrer em 2006. Se bem que, em função do apoio obtido de Simon para ser candidato à AL, alguém crê em mudança?



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *