Arquivo

A ironia pra lá de fina do Ariberto

ZAGUEIRO BOXEADOR
     
      Ariberto Sendtko Filho
     
      Ir assistir a um jogo de futebol já não é mais a mesma coisa.
      Aquela paixão, aquela vontade de ajudar o time, já começa a esmorecer.
      Anos a fio, com sol ou com chuva, com time ou sem time, lá estávamos nós, vaiando, aplaudindo, juntamente com outros abnegados torcedores.
      Às vezes lavávamos o corpo e também a alma, às vezes.
      Mas o futebol que é bom, nível técnico, cada vez diminuindo, apesar de todos os esforços.
      Cada vez menos atrativos para nos puxarem aos estádios (violência, furtos, roubo de veículos, trânsito, às vezes cerveja quente, etc).
      E agora, o que teremos em vez de futebol?
      Se for Box ou luta livre, tudo bem, pois os dois adversários primeiro irão se encarar e ambos saberão que estarão sujeitos às conseqüências de seus atos.
      Mas, e se a cena se repetir, selvageria, ignorância, e o outro não forem avisados que será visado, ou quem sabe apagado? Por sinal, tem gente quase apagada até hoje.
      E eu ainda pensava em continuar a ajudar o meu time.
      Não tenho coragem de ver este filme novamente.
      Senhores diretores, mudem a história, pois a praia está de novo bem pertinho.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo