Neocomunistas de SM querem candidato a federal

O PPS, em Santa Maria, nunca deixou de ser diminuto. Nem mesmo quando participou do governo municipal. E isso porque a administração estava muito mais interessada no prestígio pessoal de sua liderança maior, Osvaldo Severo do que propriamente no poder de fogo (e votos) da sigla. A ponto de ficar agradecida, se é que não incentivou, a Severo quando este deixou a agremiação, aderindo ao PSB, no ano passado.

Apesar disso, e muito em função das necessidades eleitorais do partido (a tal cláusula de barreira que pode banir da cena política, na prática, as siglas que não a ultrapassarem), não é improvável que se apresente o maior número de candidatos a deputado federal no País inteiro. Tudo para somar na legenda, e tentar garantir, assim, a sobrevivência.

Não haveria, objetivamente, outra razão para explicar porque os neocomunistas de Santa Maria estejam pensando, com seriedade, em lançar um nome para concorrer. Por menos votos que faça, sempre serão votos. E o nome escolhido é o do líder comunitário, ex-vereador e ex-militante do antigo PCB e do mais novo PSB, agora de volta ao ninho, Luiz Henrique Figueiredo. Este, porém, embora pressionado pelas lideranças, aparentemente ainda não decidiu se vai ou não para o sacrifício.

A propósito do tema, o jornal A Razão publica, nesta segunda-feira, reportagem assinada por Thiago Buzatto. Confira:

”PPS quer Figueiredo a deputado federal
Pré-candidato a deputado estadual, Sérgio Arnoud, veio a Santa Maria para tentar convencer ex-vereador

Em visita a Santa Maria em busca de apoio da região a sua candidatura à Assembléia Legislativa, o presidente da Federação Sindical dos Servidores Públicos do Estado (Fessergs), Sérgio Arnoud, também veio ao município, na última sexta-feira, com outra missão: convencer o ex-vereador Luiz Henrique Figueiredo, a concorrer a uma vaga na Câmara dos Deputados. O objetivo, segundo Arnoud, é conseguir, através do prestígio do ex-vereador, aumentar a participação do PPS entre os votos dos eleitores santa-marienses.

Além de garantir boa resposta das urnas locais, o pré-candidato também revela que a opção pela candidatura de Figueiredo é necessária para que o PPS consiga passar pela cláusula de barreira, que exige que cada partido, para ter representação nas bancadas federais e estaduais, precisam de no mínimo 5% dos votos apurados, não computados os brancos e nulos, distribuídos em, pelo menos, um terço dos estados, com um mínimo de 2% do total de cada um deles. “O partido precisa se fortalecer para ultrapassar a barreira e precisamos da confiança da classe trabalhadora no Figueiredo para conseguir”, afirmou Arnoud.

A preocupação é compartilhada pelo presidente municipal da sigla, Adão Martins. “Estamos preocupados com a cláusula de barreira, mas o partido acredita manterá o crescimento das últimas eleições”, confia Martins. “Política não é matemática. Todos sabem que tamanho e organização não são os principais requisitos para se eleger”, completa.

Vereador pelo PCB na legislatura de 1982 a 1988, liderança comunitária, Luiz Henrique Figueiredo, que atualmente é acadêmico de Direito, ainda não tomou…

SE DESEJAR ler a íntegra da reportagem, pode fazê-lo acessando a página do jornal na internet, no endereço www.arazao.com.br, ou na versão impressa, nas bancas nas primeiras horas desta segunda-feira.



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *