Reta final. “Vale tudo” pode tomar conta da última semana de campanha para a Presidência

Há nervosismo demais, nos dois lados. E incendiários idem. E oportunistas ibidem. E há, também, os que querem apenas ver o circo pegar fogo. O cenário não chega a ser exatamente lisongeiro para a política brasileira. Mas, dados os últimos acontecimentos, inclusive na mídia mais grandona, não é estranho acreditar que muita coisa vai ser dita e escrita – que não poderá ser provada depois. Mas que poderão, ou não, fazer efeito sobre o eleitorado.

Aliás, é exatamente esse o objetivo: convencer os não convencidos e mudar de idéia os que já a tem fixa. Parece improvável uma mudança de quadro. O que só colabora com a guerra de versões e contra-versões. Tudo para evitar o inevitável. Ou manter o dito cujo. Não há anjos, aqui. De lado nenhum.

Sobre a última semana, antes que 125 milhões de brasileiros aptos a votar definam, em definitivo, a questão, escreve a jornalista e colunista d’Globo, Tereza Cruvinel. É o texto dela, publicado neste sábado em sua página na internet, que você lê a seguir:

”Semana de terror

…Está começando uma semana que será como aquela do primeiro turno.

Os dois lados estão com os nervos tensos, há pessoas querendo pegar em armas. Preservemos a serenidade, a eleição deve ser uma festa democrática, não uma luta sangrenta.

Hoje vi uma coisa bonita, no eixão de Brasilia, a grande auto-pista que corta a cidade: uma grande carreta do Alckmin atravessava, tornando o trânsito mais lento. Muitos carros passavam com bandeiras vermelhas mas vi que os dois lados se repeitaram, não houve fechadas, nem buzinadas. Os de bandeira vermelha esperavam pacientemente que a carreata amarela avançasse. Na festa de Parintins é assim, quando a torcida azul do Caprichoso se manifesta, a vermelha, do Garantido, se cala. Mas não tem sido assim na eleição. Eu mesma tenho sofrido ataques vis, aqui e em outras paragens, mas estou mantendo a serenidade e a compostura. Um jornalista não é um sujeito desta disputa, é apenas um narrador privilegiado, que tendo mais informações e elementos, pode analisar, cruzar dados, projetar cenários etc. É o que busco fazer: informar. Informado, o eleitor forma sua opinião.

Tenho veiculado todos os comentários, exceto aqueles muito vis e que usam ofensas de baixo calão. Hoje houve dois. Fora isso, não tenho censurado ninguém, embora às vezes um comentário possa se extraviar, por razões técnicas. Agradeço a todas as manifestações de solidariedade e reconhecimento profissional.

AS FAÍSCAS

O noticiário da semana vai misturar debates entre os dois candidatos, as últimas trocas de farpas e as investigações sobre o dossiê. Estas últimas podem sim interferir na dinâmica da eleição. Mas a dinãmica da investigação também deve seguir, a PF está trabalhando e produzindo informações. Parece-me que se fosse manipulada, como diz a oposição, dava uma freada em tudo, não divulgava mais nada até a eleição passar. Mas não, foi a PF que garantiu as manchetes de hoje, ao informar ontem, 6a. feira, que Dirceu trocou um telefonema com Lorenzetti e que o secretário de Lula, Gilberto Carvalho, ligou também no dia das prisões em São Paulo.

É razoável que ele tenha mesmo buscado informações, informado que fora do ocorrido. Outros dizem: mas Lorenzetti nem havia sido citado ainda. É verdade, mas ele era o chefe do serviço de informações da campanha, ou que nome tenha esta estúpida seção de arapongagem. Era com ele que Gilberto devia mesmo buscar informações sobre um subordinado, Gedimar, que estava preso e enrolado com uma história de dossiê. É razoável, mas sendo tão próximo do presidente, criou-se uma agenda muito negativa, muito pesada nesta reta final de campanha.

A oposição reforçou seu discurso. Alckmin vai se valer disso mesmo, outro faria o mesmo. A pauta óbvia será buscar conexões do Palácio, de pessoas próximas de Lula, com a operação. A imprensa estará cumprindo sua tarefa ao divulgar o andamento das…”


SE DESEJAR ler a íntegra do artigo, pode fazê-lo acessando a página da jornalista na internet, no endereço http://oglobo.globo.com/blogs/tereza/.



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *