Arquivo

Chutômetro. Em meio a muitas listas, mais uma. Mas até que esses “ministros” fazem sentido

Entre a data da eleição e a da posse, o esporte nacional dos comentaristas políticos é um só: saber quem são os que vão ocupar os principais cargos da futura administração. Já disse e escrevi: se todos os nomes que surgem na mídia gaúcha, por exemplo, como potenciais secretários da futura governadora Yeda Crusius fossem de fato nomeados, com certeza a tucana teria que criar o triplo de pastas.

Isso vale também para as prefeituras (ou alguém esqueceu o que aconteceu na época pré-segundo mandato de Valdeci Oliveira). E especialmente ocorre no que toca ao ministério do segundo mandato de Lula na Presidência. É uma especulite total. De todo mundo que, algum dia, escreveu (ou falou) sobre política nos veículos de comunicação.

Eu próprio, devo reconhecer, também dou nomes – ainda que procure sempre buscar as informações mais preciosas das melhores fontes jornalísticas. Mas, no fundo no fundo, é especulação. Como a que faz o repórter especial da Folha de São Paulo, Fernando Rodrigues. E é exatamente dele a listagem (em quatro tópicos) que vou reproduzir a seguir. É, ao menos, coerente. E interessante. E muito bem escrita. Confira:

A bolsa de apostas na reforma ministerial – 1

Lula não fala. Os ministros estão por fora. Mas tudo o que se faz em Brasília é especular a respeito de quem fica, quem sai e quem entra na Esplanada dos Ministérios a partir de 1º de janeiro de 2007.

Este blog faz uma coletânea dos melhores momentos a respeito do que há de fofocas, informações e maledicências sobre a reforma ministerial a ser anunciada por Lula. Abaixo (neste e nos posts seguintes), os nomes dos 34 ministros, suas pastas e a intrigalhada a respeito. Enquanto isso, “deixa o homem nomear”:

Casa Civil da Presidência da República
Dilma Rousseff
Vai ficar no governo. Na Casa Civil? Depende de como será a configuração dessa pasta. Se for com o formato atual, Dilma permanece no comando. Se Lula quiser uma Casa Civil clássica, com alguém pensando também em política, mudanças à vista.

Justiça
Márcio Thomaz Bastos
“Vou sair”, diz ele. “Vou ficar”, diz ele. O comportamento bipolar de MTB é indecifrável. Para Lula, ter o seu criminalista à mão é ótimo. Se MTB pular fora, Nelson Jobim não demonstra apetite para ocupar um cargo que já esteve com ele no governo FHC. Sepúlveda Pertence seria um nome respeitado, mas certamente muito menos ativo do que MTB na defesa do Planalto.
Problemas por aí…

Defesa
Waldir Pires
A lógica é sair, depois da turbulência nos aeroportos. O problema é: quem se habilita a ficar com tamanho pepino nas mãos?

Relações Exteriores
Celso Amorim
Fica, possivelmente por “default”.

Fazenda
Guido Mantega
É o ministro perfeito. Lula pode demiti-lo a qualquer momento a custo zero. Mas, de novo, para colocar quem no lugar? Henrique Meirelles?…”


SE DESEJAR ler a íntegra do texto, inclusive a seqüência da listagem, pode fazê-lo acessando a página do jornalista Fernando Rodrigues na internet, no endereço http://uolpolitica.blog.uol.com.br/.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo