Arquivo

Justiça. TSE cassou mais de 200 mandatos em 5 anos. Motivo: compra de votos

Semana passada, a (salvo engano) Folha de São Paulo divulgou reportagem na qual dava conta que o Supremo Tribunal Federal, até agora, não condenou um político sequer. Foi um reboliço. E explicações pra cá e pra lá. O fato, porém, era verdadeiro – e baseado em informações da própria Justiça.

 

Pois nesta quinta-feira, o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (e também ministro do STF) Marco Aurélio Mello veio à opinião pública (ou será publicada) para informar sobre o trabalho da mais alta instância da justiça eleitoral. E, no relato feito, dava ciência da condenação à perda do mandato de mais de duas centenas de donatários da vontade popular, todos por “compra de votos”.

 

Não é pouca coisa, é verdade. Mas talvez não seja o caso de comemorar tanto. Inclusive porque sempre haverá quem diga, e não sem razão, “cadê os outros”? Em todo caso, confira os dados dados a conhecer pelo ministro, na reportagem assinada por Mirella D’Elia, da sucursal de Brasília do G1, o portal de notícias das Organizações Globo:

 

“TSE cassou 203 por compra de votos

Tribunal Superior Eleitoral divulgou levantamento nesta quinta-feira (22). Presidente do TSE diz que a compra de votos ‘ofende a dignidade do homem’.

 

Levantamento divulgado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) nesta quinta-feira (22) informa que, nos últimos cinco anos, 203 políticos tiveram os mandatos cassados por compra de votos.

 

Nesse período foram realizadas três eleições no país. Foram analisados 1.349 processos que chegaram ao TSE entre janeiro de 2002 e fevereiro de 2007. Desse total, 134 processos ainda estão aguardando julgamento.

 

Do total de políticos punidos, consta apenas um governador no período pesquisado – Flamarion Portela (RR), que teve o mandato cassado em 2004, e um senador, João Capiberibe (AP), cujo mandato foi cassado em 2003. Também integram a lista quatro deputados federais, quatro deputados estaduais, 49 vereadores 96 prefeitos.

 

Cassações

 

Segundo o TSE, em 2002, foram cassados os mandatos de 25 políticos por compra de voto: 11 prefeitos, seis vice-prefeitos e oito vereadores. Em 2003, o número subiu para 28. Foram punidos três deputados estaduais (AC, ES e MG), um federal (AP) e um senador (AP), além de 16 prefeitos, seis vice-prefeitos e um vereador.

 

Em 2004, 20 políticos tiveram os mandatos cassados por compra de votos: um governador (RR), dois deputados federais (MT e AC), 12 prefeitos, três vice-prefeitos e dois vereadores. No ano seguinte, o TSE cassou 89 mandatos.

 

Foram punidos um deputado federal (CE), um deputado estadual (SP), 40 prefeitos, 21 vice-prefeitos e 26 vereadores. Em 2006, o TSE cassou 41 mandatos de políticos: 17 prefeitos, 12 vice-prefeitos e 12 vereadores.

 

Número poderia ser ainda maior

 

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Marco Aurélio Mello, disse nesta quinta-feira (22) que a compra de votos “ofende a dignidade do homem”. O ministro afirmou que…”

 

 SE DESEJAR ler a íntegra, clique aqui.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo