Arquivo

Novembro (4). Judiciário, saúde e erro médico se encontram. Adivinha só o tamanho do rolo

A questão da Saúde (e adjacências) tem cada vez mais destaque nas discussões cotidianas. Prova eloqüente é a importância adquirida por artigo a respeito, do colaborador Ricardo Jobim, presidente da OAB/SM, que chamou tanto a atenção que foi a quarta nota mais lida no site em novembro. Ela foi publicada no dia 27, finalzinho da tarde. Releia:

 

 

 

 

“A Judicialização da Saúde e a Indústria do Erro Médico

As ações judiciais na área da saúde têm evoluído seu número de forma assustadora no Brasil. Algumas requerendo a concessão de medicamentos, internações e tratamentos, outras com condão indenizatório por alegado Erro Médico, afora outras contra planos de saúde exigindo coberturas específicas.

No país, mais de 50% dos pacientes que precisam de um medicamento específico não podem comprá-lo. Tem gente que elogia nossa rede de atendimento, mas a verdade é que o Brasil investe somente 153 dólares per capita no setor, dado absurdo comparando com Canadá (2.048), EUA (2.388) e Reino Unido (1.801).

Estamos diante de uma verdadeira bola de neve. Os médicos, com razão, solicitam cada vez mais exames aos pacientes, eis que dada a enxurrada de ações indenizatórias por erro médico (a grande maioria delas sem nenhum fundamento técnico), são obrigados a preocupar-se ainda mais com diagnósticos precisos, encarecendo assim o custo da assistência.

O livre acesso ao judiciário e algumas garantias aos menos favorecidos, como assistência judiciária gratuita, com a ausência de responsabilização para o paciente que ingressa com uma aventura judicial, tem incentivado essa onda de demandas, que só faz piorar o quadro…”

 

PARA CONFERIR A ÍNTEGRA, CLIQUE aqui

ATENÇÃO


1) Tua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo