Arquivo

Olhar de fora. Análise da crise do governo gaúcho, feita por jornalista com base em Brasília

Pode ou não ser correta, mas enfim é a observação de quem está longe do Estado. Afinal, como repercute, por exemplo no planalto central, o que acontece no mundo político gaúcho? Busquei uma avaliação de quem é pouco conhecido por aqui. No caso, a repórter da agência Santafé Idéias, Sarah Barros. O texto que você lerá a seguir foi originalmente publicado na página editada pelo experimentado jornalista (com experiência inclusive no Palácio do Planalto) Etevaldo Dias. Lá no final, uma observação minha. Confira:

 

“Crise no governo gaúcho não tem data para acabar

A governadora do Rio Grande do Sul, Yeda Crusius, não sabe bem quando vai acabar a crise política vivida pelo estado nas últimas semanas. Desde a divulgações de gravações contendo dados sobre desvio de dinheiro público para campanhas de partido que compõem a base do governo, quatro componentes do governo foram substituídos. As gravações foram apresentadas há cerca de duas semanas pelo vice-governador Paulo Feijó (DEM) na Comissão Parlamentar de Inquérito da Assembléia Legislativa do estado, que investiga o desvio de R$ 44 milhões do departamento.

A partir de entrevista dada ao site oficial do PSDB no último final de semana, percebe-se que Yeda vai responder a ataques, mais do que se antecipar ao bombardeio que a espera, especialmente, em ano de eleição. Ao responder sobre quando acha que a estabilidade política voltará às terras gaúchas, a governadora diz que a proximidade das eleições municipais trará a tona o debate sobre a Lei de Responsabilidade Fiscal. Tomando em conta que as campanhas vão até outubro, deve levar um bom tempo.

A idéia é, enquanto durar a crise, ressaltar avanços, segundo Yeda, obtidos em sua gestão, que permitiram, por exemplo, a enquadramento do governo estadual nos ditames da lei, regularizando as folhas de pagamento e impondo um ajuste fiscal, que, de acordo com ela, fere muitos interesses.

Sobre as denúncias de desvio de recursos do Detran gaúcho,Yeda aponta que o problema é antigo, de governos anteriores, e que a condução da Comissão Parlamentar de Inquérito aberta na Assembléia Legislativa do estado propiciou o ambiente para que o vice-governador, Paulo Feijó (DEM), semeasse a crise. Sobre a possibilidade de impeachment, pedida pelo PSOL, ela reitera: “É uma ação de oposição e ele deve seguir o seu curso junto a Assembléia Legislativa. Cada parte da oposição grita como o seu rito manda que faça”.

 

OBSERVAÇÃO CLAUDEMIRIANA: não sei quando (e se) a crise será estancada. Mas é fato que a governadora está se mexendo, buscando recompor suas forças. Se conseguirá é algo que se saberá nos próximos meses, mais exatamente depois da eleição de outubro. Aliás, o episódio eleitoral pode ajudar a governadora, na medida em que as atenções estarão muito mais voltadas às comunas que à província. Sim, não acredito em estadualização de campanha alguma, exceto em algum ponto localizado. Nada além disso.

 

SUGESTÃO DE LEITURAconfira aqui, se desejar, outras notas publicadas por Etevaldo Dias.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo