Arquivo

Brasil competitivo. A receita Yeda para finanças públicas gaúchas é apresentada em congresso

Há, e isso não se pode negar, inúmeras restrições ao “jeito Yeda Crusius de governar”. Inclusive se é “novo”. Mas, não há dúvida, a governadora gaúcha tem coragem. Inclusive porque, por seu estilo, digamos, pouco conciliador, tem experimentado inúmeros conflitos políticos com sua base de apoio. E isso desde mesmo antes de iniciar o mandato – relembre-se o episódio da tentativa frustrada de aumentar impostos, ao findar o governo de Germano Rigotto.

 

Em todo caso, a Chefe de Executivo e seu estafe contabilizam o que consideram vitórias no front econômico. A recuperação das finanças públicas gaúchas é uma obstinação de Yeda. E ela elaborou uma receita para obter essa vitória. Foi exatamente este o tema de palestra feita nesta terça-feira, em Brasília, na sexta edição do Congresso Internacional Brasil Competitivo.

 

Yeda Crusius foi uma das palestrantes no evento que tem como principal estrela privada o presidente do Conselho Superior do Programa Gaúcho de Qualidade e Produtividade (PGQP), Jorge Gerdau Johannpeter (com a governadora). Para saber o que disse a governadora aos participantes do congresso, confira o material distribuído pela assessoria de imprensa do Palácio Piratini. A foto é de Jefferson Bernardes. A seguir: 

 

 “Yeda Crusius apresenta em congresso medidas contra o déficit no RS

 

Uma das conferencistas do 6º Congresso Internacional Brasil Competitivo, nesta terça-feira (22), em Brasília, a governadora Yeda Crusius fez a palestra “Equilibrar para Crescer: O Fim de 40 Anos de Déficit Público no Rio Grande do Sul” (confira a íntegra da palestra através do link ao lado). A exposição  constou do painel “O Movimento Brasil Competitivo e o Programa Modernizando a Gestão Pública – Casos de Sucesso”.  A 6ª edição do encontro promovido pelo Movimento Brasil Competitivo tem como tema “200 anos de Estado: A Inovação na Gestão Pública”.

 

A governadora abriu sua exposição com um diagnóstico do setor público do Rio Grande do Sul quando assumiu o governo, há um ano e meio. O Estado apresentava a pior situação fiscal entre os 27 estados brasileiros, após 40 anos de déficit público, e não tinha capacidade de investir. As despesas representavam 116% da receita corrente líquida e o déficit herdado somava R$ 2,4 bilhões.

 

Conforme explanou a governadora, o plano de governo proposto concentrava a atuação do setor público em três grandes eixos estratégicos: desenvolvimento social, desenvolvimento econômico sustentável, e finanças e gestão pública. Junto a isso, o governo lançou mão de três grandes blocos de ações inovadoras: as Câmaras Setoriais, os 12 Programas Estruturantes e o orçamento realista.

 

Yeda Crusius destacou que a preparação da Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2009 já sinaliza o equilíbrio total das contas públicas, pela primeira vez em 40 anos de déficit no Rio Grande do Sul. Para atingir esse resultado, os esforços concentraram-se tanto na redução de despesas quanto no aumento das receitas.

 

Pelo lado da despesa, os cortes chegaram a 30%, com apoio do PGQP (Programa Gaúcho de Qualidade e Produtividade) e do INDG (Instituto Nacional de Desenvolvimento Gerencial). A meta de redução de gastos estabelecida para 2007, de R$ 303 milhões, foi superada, alcançando R$ 327 milhões. A meta para 2008 é de cerca de R$ 370 milhões.

Pelo lado da receita, juntamente com instrumentos modernos de combate à sonegação, também foram superadas as metas estabelecidas, de R$ 400 milhões para R$ 622 milhões. Para 2008, a meta é gerar R$ 900 milhões de arrecadação adicional – acima do cenário de crescimento da economia do Estado…”

 

SUGESTÃO DE LEITURA – confira aqui a íntegra desta e, se desejar, também de outras reportagens produzidas e distribuídas pela assessoria de imprensa do Palácio Piratini.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo