Arquivo

Prognóstico. Deputados não votam mais nada antes do recesso de inverno. Nem depois, aliás

A situação é simples: excetuando a Lei de Diretrizes Orçamentárias – que é votada pelo Congresso, reunindo deputados e senadores -, sem o que o recesso não começa em 18 de julho, nada mais será apreciado pelos parlamentares, antes da parada de inverno. A razão é simples e a mesma de sempre: pauta trancada por Medidas Provisórias ainda não deliberadas.

 

Só tem um detalhe: é pouco provável, para não dizer impossível, que alguma outra coisa relevante seja decidida também depoooois do recesso. A partir de agosto, afora os óbvios 25% de edis federais candidatos a prefeito ou vice, os demais se envolverão inevitavelmente no pleito de outubro. Quorum para votação? Só depois da eleição. Ou alguém pensa diferente? Não é pecado, claro, mas…

 

A propósito das dificuldades que cercam os 10 dias anteriores ao recesso de julho, confira reportagem de Eduardo Piovesan, da Agência Câmara de Notícias. Acompanhe:

 

“Plenário continua com a pauta trancada por três MPs

 

O Plenário continua sem um acordo de procedimentos entre as lideranças partidárias quanto aos projetos que podem ser votados antes do recesso e até as eleições de outubro pela Câmara, cuja pauta está trancada por três medidas provisórias (429/08 a 431/08). Permanece ainda o impasse entre situação e oposição quanto ao término da votação do projeto que aumenta os gastos com saúde (PLP 306/08). Em reunião do Colégio de Líderes marcada para a próxima terça-feira (8) será tentado novamente um acordo.

Por enquanto, DEM, PSDB e PPS pretendem manter a obstrução aos trabalhos por serem contra a criação da Contribuição Social para a Saúde (CSS), destinada a financiar as despesas da União com o setor. Para concluir a votação do projeto de lei complementar falta analisar um destaque que exclui a base de cálculo do novo tributo, inviabilizando sua cobrança.

A primeira MP trancando a pauta é a 429/08, que autoriza a União a participar com R$ 400 milhões do Fundo de Garantia para a Construção Naval (FGCN). Este fundo será criado para proteger o crédito concedido pelos bancos a estaleiros com recursos do Fundo da Marinha Mercante (FMM).

Nas operações de financiamento garantidas pelo fundo, o banco deverá financiar até 90% do valor do projeto, mas a garantia será limitada a 50% do saldo devedor. A MP também muda outras regras para estimular a exportação, principalmente das micro e pequenas empresas.

Reajuste salarial
Já a Medida Provisória 430/08 abre crédito extraordinário de R$ 7,56 bilhões para custear o reajuste salarial de servidores públicos, civis e militares, previsto na Medida Provisória 431/08.

Como o Projeto de Lei 5/08, aprovado recentemente pelo Congresso Nacional, já foi sancionado e se transformou na Lei 11.734/08, a MP 430/08 pode ser considerada prejudicada porque outra norma legal de igual conteúdo já tem validade jurídica. O projeto substituiu a MP devido à…

 

 

SUGESTÕES DE LEITURA – confira aqui a íntegra da reportagem “Plenário continua com a pauta trancada por três MPs”, de Eduardo Piovesan, da Agência Câmara de Notícias.

Leia também a reportagem “Líderes tentam na terça acordo sobre votações no Plenário”, de Geórgia Moraes, da Rádio Câmara.

E, se desejar outras informações oriundas da Agência Câmara de Notícias, clique aqui.

 

 

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo