CriseEconomiaMídia

MAROLINHA. Que diabo, agora que ela foi isso mesmo, alguns discursos terão que mudar

Basicamente, penso, é o que pretende dizer o repórter especial da Folha de São Paulo, Kennedy Alencar, em artigo publicado no início da semana. Sim, a marolinha, contrariando todos os prognósticos dos midiatas do apocalipse, foi isso mesmo, uma marolinha – principalmente se os efeitos da crise ianque no Brasil forem comparados aos de outros países do mundo. Aliás, com a maioria deles.

E aí, como fica agora? Alguns discursos, inevitavelmente, terão que sofrer ajustes – para dizer o mínimo. Vale a pena ler o que escreve o Alencar, na seção “Pensata”, da versão online do jornalão paulista. Confira você mesmo:

 “Marolinha, Serra e 2010

Aos olhos de hoje, é correto dar o braço a torcer, inclusive este jornalista, e dizer que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva acertou quando disse no ano passado que a crise econômica mundial chegaria ao Brasil como uma marolinha. Diante das expectativas da época de governos, empresas e veículos de comunicação do mundo todo, o que bateu no país foi mesmo uma marolinha.

Na virada de 2008 para 2009, parecia que o planeta iria quase acabar. E Lula foi duramente atacado por seu otimismo. Ele cumpria o fundamental papel de animador do auditório na hora da crise, mas também a subestimava um pouco.

Nesse sentido, o pessimismo da mídia teve papel importante para acordar Lula e o governo. O presidente vive reclamando da imprensa, mas os alertas que hoje soam exagerados fizeram o governo levantar da cadeira e arregaçar as mangas…

Sucessão presidencial

As previsões do governador José Serra, potencial candidato do PSDB ao Palácio do Planalto, não aconteceram. Na virada de 2008 para 2009, o tucano achava que a queda do PIB (Produto Interno Bruto) seria bem maior. Também previu um forte aumento do desemprego. Esse cenário, se confirmado, favoreceria seus planos para conquistar a Presidência.

Num país como o Brasil, que vem melhorando, mas ainda é bastante desigual, o bom desempenho da economia será um ativo político importante nas eleições de 2010. No mínimo, dificultará o que já anda difícil para a oposição: encontrar um discurso que…”

PARA LER A ÍNTEGRA, CLIQUE AQUI.

SUGESTÃO ADICIONAL – confira aqui, se desejar, também outras análises de Kennedy Alencar, da Folha de São Paulo, na seção “Pensata”, da versão onlilne do jornal.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

2 Comentários

  1. Márcio, os textos do Mainardi são bem escritos. Acho até que ele deveria escrever um livro de ficção. A imaginação dele faria sucesso nesse gênero.

  2. Pois acredito que não mudarão. Apenas mudarão de tema. É oque o Diego Mainardi faz, devo admitir que de forma bem apresentada, semanalmente na Veja. Pega um tema e esculhamba com o governo e com o Presidente e faz suas previsões. Mesmo passando um tempo e suas previsões não se realizando, já foi! Ninguém irá cobrá-lo, pois neste tempo ele ja levantou muitos outros temas e suas opiniões se dispersam no ar. O que vale é a “porrada”, me perdoem o termo, semanal no governo e no Presidente.
    Mas sempre é bom lembrar o quanto é bom que podemos ter a opinião de colunistas como o Diogo Mainardi. Entre ler o Diogo Mainardi e a “escuridão”, fico com a leitura semanal, afinal de “escuridão” bastou os 30 anos de ditadura.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo