CulturaEleições 2010

CINEMA E POLÍTICA. Vem aí “Lula, o Filho do Brasil”. Lançamento é em janeiro

Cenas de um filme que deverá marcar 2010. E não apenas como obra cinematográfica
Cenas de um filme que deverá marcar 2010. E não apenas como obra cinematográfica

Que tal? A par das qualidades do filme, e do óbvio interesse que desperta (não apenas no Brasil, como se percebe mais recentemente), por tratar da vida de um operário que virou Presidente da República (e tudo o que ocorreu no meio deste caminho), não há dúvida também que a data de lançamento e o período em que estará sendo exibido é bastante conveniente, do ponto de vista eleitoral.

O fato é que “Lula, o Filho do Brasil”, que estréia em janeiro, já está dando o que falar. Mas, seja o que for, este (nem sempre) humilde repórter não duvida: será o filme do ano, em 2010. Com ou sem repercussões eleitorais. Sobre a obra e seu entorno, vale a pena conferir reportagem publicada na edição mais recente da revista IstoÉ, e que já está nas bancas. O texto é assinado por Alan Rodrigues, Ivan Claudio e Yan Boechat. Confira:

Luz, câmera, ação e campanha
Como o filme “Lula, o Filho do Brasil”, superprodução com roteiro carregado de emoção, torna-se uma poderosa arma eleitoral em 2010

1979 Na última semana de março, o sindicalista Luiz Inácio da Silva é carregado nos ombros de dezenas de metalúrgicos do maior polo industrial brasileiro, que decidem, uma vez mais, entrar em greve para exigir melhores condições de trabalho. Poucas semanas antes, o torneiro mecânico estampara pela primeira vez a capa de uma revista semanal. Reportagem de ISTOÉ apresentava para todo o País aquele líder sindical barbudo, de voz rouca, conhecido como Lula, que em pleno regime militar insistia em enfrentar a poderosa Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e aglutinava milhares de trabalhadores em históricas assembleias no estádio da Vila Euclides e nas praças de São Bernardo do Campo.

2009 Na terça-feira 27 de outubro, quando completar 64 anos de idade, Lula certamente não conterá as lágrimas ao assistir às cenas em que o ator Rui Ricardo Diaz é carregado nos ombros de dezenas de figurantes representando cenas das greves que ele próprio protagonizara há três décadas. Na festa de seu aniversário, o ex-líder sindical assistirá pela primeira vez a “Lula, o Filho do Brasil”, filme do produtor Luiz Carlos Barreto e dirigido por seu filho Fábio Barreto. A estreia nacional desta que é a mais cara produção do cinema brasileiro está marcada para 1º de janeiro do próximo ano e pode se tornar uma importante ferramenta eleitoral, quando o País estiver mergulhado na sucessão presidencial.

Nos 30 anos que separam a fotografia real da cena cinematográfica, o apelido Lula foi incorporado ao nome de Luiz Inácio. O líder sindical criou um partido político, correu o País de ponta a ponta em caravanas da cidadania, chegou à Presidência da República, ostenta a marca de presidente mais popular da história do Brasil e a cada dia consolida mais a imagem de um dos principais líderes mundiais da atualidade. Na última semana, ISTOÉ teve acesso a uma boa parte do filme orçado em R$ 16 milhões. A obra de Barreto retrata a trajetória do menino e da família nascida abaixo da linha da pobreza, que deixou o Nordeste em um pau-de-arara em busca de dias melhores. Retrata os amores e os dramas pessoais de Lula e de seus quatro irmãos e três irmãs. Termina com a morte de dona Lindu, a mãe e…”

PARA LER A ÍNTEGRA, CLIQUE AQUI.

SUGESTÃO ADICIONAL – confira aqui, se desejar, também outras reportagens publicadas na edição mais recente da revista IstoÉ.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo