EstadoJudiciário

FLASH. Decisão do Tribunal Regional Federal exclui Yeda da ação de improbidade

Yeda: um problema a menos. E uma vitória jurídica indiscutível
Yeda: um problema a menos. E uma vitória jurídica indiscutível

A decisão foi anunciada agora há pouco: por unanimidade, os três desembargadores da 4ª Turma do Tribunal Regional Federal acolheram “agravo de instrumento” impetrado pela defesa da governadora e Yeda Crusius não é mais acusada de improbidade, na ação promovida pelo Ministério Público Federal. Além disso, outros réus, os deputados José Otávio Germano (PP) e Luiz Fernando Zachia (PMDB), tiveram os bens desbloqueados totalmente. E o ex-presidente do Tribunal de Contas do Estado, João Luiz Vargas obteve o mesmo benefício, ainda que de forma parcial.

Ainda que exista a possibilidade de recurso ao Superior Tribunal de Justiça, e essa deva ser a medida tomada pelo Ministério Público Federal, o fato é que a governadora obteve uma significativa vitória jurídica, com inegável conseqüência política – de resto positiva para a titular do Palácio Piratini.

É evidente, também, que a decisão tomada hoje fortalece a base governista na Assembléia Legislativa, envolta nas discussões em torno do pedido de impeachment de Yeda e na CPI da Corrupção. Mas essa é apenas uma análise preliminar, bem rasa, e de primeira hora. Com certeza, voltaremos ao assunto. Pode aguardar.

SUGESTÃO ADICIONALpara mais detalhes, acompanhe REPORTAGEM publicada agora há pouco na versão online do jornal Zero Hora.

OBSERVAÇÃO: a foto é de Jefferson Bernardes, da Assessoria de Imprensa do Palácio Piratini.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Um Comentário

  1. Acabo de ler o comentário no blog da Rosane de Oliveira. Na realidade, o TRF não entrou no mérito das acusações feitas pelo MPF. Os desembargadores apenas concordaram com a tese do advogado de defesa de que o foro para julgamento da governadora é o STJ. Portanto, é cedo para soltar fogos. Não se entrou no mérito de que Yeda tem ou não responsabilidade nos desmandos ocorridos no caso Detran. Parabéns pela agilidade, Claudemir!

Deixe uma resposta para Fritz Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo