CongressoJudiciárioPolítica

IMPROBIDADE. Tem mudanças a caminho na legislação que pune os agentes públicos

Maior liberdade e segurança para magistrados, diz o autor, Osmar Serraglio
Maior liberdade e segurança para magistrados, diz o autor, Osmar Serraglio

Atenção! De pronto, afirmamos: ninguém está a afirmar, aqui, que os parlamentares estão querendo resolver o problema dos pilhados em improbidade, facilitando sua vida. Não, não, na-na-ni-na-não! A questão é outra, aparentemente diversa. Projeto, que já passou pela Câmara dos Deputados, de autoria do paranaense Osmar Serraglio (PMDB), pretende facilitar a vida dos magistrados, entre outros benefícios.

Bem, esse é apenas um ponto. Há outros. A proposta, agora, está na pauta do Senado, para onde foi enviada. Se não houver modificação, vira lei. Os detalhes você encontra no material distribuído pela Agência Senado. O texto é de Helena Daltro Pontual, com foto de Fabio Rodrigues Pozzebom, da Agência Brasil. Acompanhe:

Projeto que altera Lei de Improbidade Administrativa está na pauta do Plenário

Está incluído na pauta da sessão plenária deliberativa de terça-feira (27) o projeto de lei da Câmara (PLC) 47/08, que altera a Lei de Improbidade Administrativa (8.429/92) para permitir a aplicação de sanções e penas ao responsável por ato de improbidade de forma isolada, e não somente de modo cumulativo ou em bloco. O projeto põe fim às contradições e lacunas da legislação sobre o assunto e a torna mais clara, permitindo ao juiz decidir com maior liberdade e segurança, segundo o autor da matéria, deputado Osmar Serraglio (PMDB-PR).

Antes de apreciar esse projeto, o Senado precisa votar, no entanto, três medidas provisórias (MPs), duas das quais transformadas em projetos de lei de conversão (PLVs), que estão sobrestando a pauta e têm prioridade nas votações: PLV 15/09; e PLV 16/09; e a MP 467/09.

A Lei de Improbidade Administrativa trata das sanções para agentes públicos que enriqueçam de forma ilícita no exercício de mandato, cargo, emprego ou função na administração pública direta, indireta ou nas fundações..”

PARA LER A ÍNTEGRA, CLIQUE AQUI.

SUGESTÃO ADICIONAL – confira aqui, se desejar, também outras reportagens produzidas e distribuídas pela Agência Senado.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo