CampanhaEleições 2010Esporte

LUNETA ELEITORAL. A ciranda dos candidatos: Pimenta, Sandra Rebelato, Mª do Rosário, Ferreira, Valdeci…

* É possível (e antecipadamente o editor pede desculpas) que algum tenha deixado de ser citado, tantas foram as informações passadas pelas assessorias.

* De todo modo, eventualmente a Luneta vira “eleitoral” e traz informações sobre as andanças dos candidatos. Preferencialmente os que têm algum vínculo com Santa Maria.

* Neste final de semana, por exemplo, Paulo Pimenta inaugura quatro comitês no Estado, três na fronteira oeste, um em Santa Maria.

* Na quinta-feira foi em São Borja. Na manhã desta sexta em Itaqui. À noite foi Alegrete que recebeu um escritório do petista que busca reeleição à Câmara dos Deputados.

* Pimenta inaugura o quarto neste sábado, em Santa Maria. Às 10 da manhã começa a funcionar o comitê localizado na rua do Acampamento, 340, bem no centro da cidade.

Na ausência de Sandra, Dalla Corte recebeu Covatti

* Quem esteve em Santa Maria nesta sexta foi o pepista Vilson Covatti, que também pretende continuar na Câmara dos Deputados. Aqui, firmou parceria com Sandra Rebelato, que concorre à Assembléia.

* Quem recebeu o deputado, porém, foi o presidente do PP da boca do monte, Marcelo Dalla Corte – que representou Sandra, naquele momento em campanha na região de Uruguaiana.

* Neste sábado, quem aporta à cidade é a deputada federal petista Maria do Rosário. Sua atividade será participar do lançamento festivo da campanha de Valdeci Oliveira à AL.

* Sua corrente interna no partido, o Movimento PT, organiza uma agenda de atividades da parlamentar para o próximo sábado, dia 24.

* Aliás, os petistas (pelo menos é o que chegou ao repórter) estão praticamente monopolizando as informações. Outro que está na cidade na sabatina é o candidato a deputado federal Paulo Ferreira.

* Ferreira, que inaugurou esta semana um escritório de campanha no segundo andar da Galeria Chami, no centro (soba coordenação do radialista Valdir Oliveira) também estará no lançamento da campanha de Valdeci.

* Antes do festerê com o ex-prefeito, Paulo Ferreira tem encontro com seus apoiadores, no Centro de Referência em Economia Solidária Dom Ivo Lorscheister.

* Um último aviso: esta “Luneta” especial está à disposição para receber a agenda dos candidatos. A divulgação, porém, ficará (como sempre) a critério exclusivo do editor.

* Não é por nada,não,mas há nomes sem qualquer representatividade local ou apoio consistente que busca abrir espaço. É legítimo, claro. Mas quem decide a publicação é o editor.

SIGA O SITÍO NO TWITTER

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Um Comentário

  1. Caro Márcio, creio que o argumento dos “políticos tradicionais” que utilizei é bem claro, só quem quer esconder não pode ver…quem sabe debaixo do tapete…

  2. @Rose Pereira
    Por vezes acho que estão considerando que a variável mais importante é o tempo de atividade política. Mas aí fico com a dúvida: Se pode ser considerado “político tradicional” aquele que disputou várias eleições e foi eleito, com voto popular, na maioria delas não deveria ser chamado também de político tradicional aquele que disputa várias eleições e não consegue o apoio popular? O “pecado” seria ser eleito, então?

  3. não, caro jornalista que tem seu trabalho e sua liberdade de opinião (e que bom que á exprimes)…espero apenas que possas refletir sobre a crítica e agradeço que permites a exposição dela. Obrigado. (NOTA DO EDITOR: amigo Henrique, esse espaço pode ser acusado de qualquer coisa, menos de não ser democrático. Aqui, a crítica – inclusive ao repórter – é liberada, desde que não seja ofensiva ou que possa levar ao cometimento de crimes de qualquer espécie. Volte sempre. E critique sempre que entender adequado.)

  4. e a crítica continua válida pelo cinismo que muitas vezes trata da nossa candidatura (NOTA DO EDITOR: diante disso, nada mais é possível fazer. O repórter já está condenado. Resta apenas esperar pelo paredão. Quando e se ele vier)

  5. E apoio popular? bem, nos tempos difíceis e despolitizados que vivemos, em que a ideologia individualista flutua calmamente sobre todos, os política cabeça de todos, inclusive os mais pobres, os políticos tradicionais montam suas tradicionais campanhas, com comitês, muita “militância” paga…e outras coisas que apenas a justiça não consegue ver. Bem, este tipo de política, sabemos, reúne muito “apoio popular” aos políticos tradicionais, que vitimizam a população a cada 2 anos esperar as migalhas de campanha, já que não modificam, durante seus mandados, a condição estrutural de pobreza crônica e falta de educação da grande maioria da população.

    Já uma candidatura que conta com militancia de verdade (não paga), sem financiamento privado, lutando para modificar esta ordem estrutural em que vive a maioria da população brasileira e mundial, está…bem…não conta…não vale…é sem “apoio” e “representatividade”…

    Então caro editor, creio que sabemos que este “apoio” de que está falando não significa de maneira alguma o sentido literal da palavra, mas remete, sim, ao sistema mercantil da política dos partidos tradicionais, realizada no Brasil desde tempos remotos. Muito bem, caro editor!

  6. Mais uma vez quem fica de fora é Sandra Feltrin, candidatura que para o editor, não conta com “representatividade local” ou “apoio consistente”. Cabe nos perguntar que “representatividade” é esta que o editor sugere? que “apoio” é este? Não seria da corja de CC’s pagos pelos trabalhadores contribuintes? Não seria a corja de políticos tradicionais, de “caciques” eleitorais, no qual a corrupção e o apadrinhamento andam a solta? Não seria o grande empresariado (principalmente empreiteira e prestadores de serviços públicos), suspeitos, escolhendo as candidaturas que lhes abrirá as portas dos cofres públicos? Olhe, sou apoiador de Sandra Feltrin e então prefiro não ter esta representatividade e apoio! (NOTA DO EDITOR. Com todo o respeito merecido pelo leitor, mas ele deve ler todas as notas do sítio, e não apenas as que lhe convêm. Pelo tamanho – que não é pequeno, mas longe está do protagonismo – a candidata do PSOL tem espaço e muito na mídia, especialmente ou principalmente aqui. Só a título de exemplo, e se o leitor não se cansar, confira as Lunetas Eletronicas dos dias 14, 12, 10, 9 e 8 de julho. Ah, e não precisa pedir desculpas, depois.)

Deixe uma resposta para Rose Pereira Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo