Câmara de VereadoresPolíticaPrefeitura

NÃO CUSTA LEMBRAR. Há o que não muda. Exemplo? Requerimentos dos vereadores

Confira a seguir trecho da nota publicada aqui na madrugada de 5 de março de 2011, um sábado:

“…Por que os edis (especialmente do governo) apresentam taaaantos requerimentos

É impressionante a quantidade de requerimentos de vereadores, tendo como alvo serviços a ser feitos por secretarias específicas da prefeitura. Só nesta semana o número passou de uma centena. Para saber quais, basta rápida consulta ao Boletim Legislativo, editado às vésperas das sessões plenárias e disponíveis no site do parlamento.

O curioso é que a maior parte (refletindo a correlação de forças políticas da Câmara) é de edis governistas, inclusive do PMDB. O que sugere ao menos duas suposições mais ou menos óbvias…”

PARA LER A ÍNTEGRA, CLIQUE AQUI

PASSADO EXATAMENTE UM ANO da publicação do texto, aliás na coluna Observatório (republicada pelo sítio), o fato é que nada mudou. Inclusive na origem dos requerimentos, com o campeonato absoluto vencido pelos edis governistas – justamente os que, em tese, têm mais contato com a prefeitura e, consequentemente, em condições de resolver os problemas para os quais pedem solução.

SIGA O SITÍO NO TWITTER

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo