Câmara de VereadoresEconomia Solidária

ECONOMIA SOLIDÁRIA. A homenagem da Câmara ao Projeto Esperança é, também, ao próprio segmento

Galerias lotadas para assistir à homenagem aos 25 anos do Projeto Esperança

Foi na noite passada, em sessão especial proposta pelo vereador Werner Rempel. O parlamento da comuna lembrou os 25 anos do Projeto Esperança/Cooesperança, o grande responsável por transformar Santa Maria na “capital nacional da Economia Solidária”.

Sobre o que aconteceu no plenário do Legislativo, e o significado do evento, além de outras informações, confira material produzido pela assessoria de imprensa do Projeto Esperança. A reportagem, texto e fotos, é do jornalista Maiquel Rosauro. A seguir:

 “Santa Maria é a Capital Nacional da Economia Solidária”, afirma vereador Werner Rempel

A sessão especial em homenagem aos 25 anos do Projeto Esperança/Cooesperança lotou o plenário da Câmara Municipal de Vereadores de Santa Maria, na noite desta terça-feira, 26 de junho. Quase todos os parlamentares estiveram presentes, além de dezenas de representantes de movimentos sociais.

Irmã Lourdes Dill recebeu a distinção do parlamento, como a coordenadora do Projeto

A homenagem foi proposta pelo vereador Werner Rempel. Em seu discurso, ele destacou a importância do Projeto ao possibilitar a sobrevivência e sustento de pequenos empreendimentos.

– Hoje Santa Maria é a Capital Nacional da Economia Solidária graças ao Projeto Esperança/Cooesperança – afirmou o vereador.

A irmã Lourdes Dill, coordenadora do Projeto, agradeceu a homenagem do Legislativo e fez um balanço dos 25 anos de caminhada. Segundo ela, hoje há cerca de 260 empreendimentos solidários em funcionamentos em 34 municípios. Cerca de 5,3 mil famílias são beneficias diretamente e em torno de 23 mil pessoas de forma indireta.

A criação do Projeto Esperança ocorreu em 15 de agosto de 1987 pelo então bispo de Santa Maria Dom Ivo Lorscheiter, uma equipe da Diocese, Cáritas, UFSM, Emater e outras organizações. A ideia surgiu através do estudo do livro “A pobreza, riqueza dos povos”, do autor africano Albert Tévoèdjeré. Hoje, faz parte do Banco da Esperança, da Arquidiocese de Santa Maria, integrado a Cáritas Regional. 

O Projeto busca a construção do associativismo, o trabalho, a solidariedade, a cidadania e um novo modelo de cooperativismo através da Economia Solidária e da inclusão social. Conforme a irmã Lourdes, o capitalismo está saturado e é preciso colocar as pessoas em primeiro lugar. 

– A Economia Solidária é um jeito inovador de realizar a atividade econômica de produção, oferta de serviços, comercialização, finanças ou consumo baseado na democracia, cooperação e solidariedade. A gestão é coletiva e os resultados são compartilhados – explica irmã Lourdes.

A sessão especial foi encerrada com o discurso do presidente da Casa, vereador Manoel Badke. Ele também reforçou a importância do Projeto.

– Hoje foi uma noite muito importante. Mostramos que com mãos dadas e unidas poderemos mudar o Mundo – declarou Badke.

8ª Feira de Economia Solidária do Mercosul 

A 8ª Feira de Economia Solidária do Mercosul e 19ª Feira Estadual do Cooperativismo (Feicoop) serão realizadas em Santa Maria entre os dias 13 e 15 de julho, no Centro de Referência em Economia Solidária Dom Ivo Lorscheiter. Em paralelo, também ocorrerão a 11ª Feira Nacional de Economia Solidária, 12ª Mostra da Biodiversidade e Feira de Agricultura Familiar, 8º Seminário Latino Americano de Economia Solidária, 8ª Caminhada Internacional e Ecumênica pela Paz e 8º Levante da Juventude. Os eventos são promovidos pelo Projeto Esperança/Cooesperança, da Arquidiocese de Santa Maria, com apoio da Prefeitura Municipal.”

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Um Comentário

  1. Isso sim e homenagem enquanto as pessoas estao vivas e trabalhando,nao homenagear depois que morrem. Parabens para quem teve a intençao. abraço

Deixe uma resposta para elma Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo