CulturaHistória

É DA HORA. Vitor Hugo do Amaral Ferreira e uma homenagem à data que lembra a revolução farrapa

“…E da nossa história, que o poeta não me deixa mentir, faço eco ao eternizado por Berenice Azambuja, e quando alguém perguntava do que ele mais gostava. O velho dizia assim: churrasco e bom chimarrão, fandango, trago e mulher. É disso que o velho gosta é isso que o velho quer.

Dentre as trovas mais lindas que enaltecem nosso pago pra quem tem alma nos bastos, atrevo-me a parafrasear, acalanta o gaúcho saber que seu povo de tanto gastar sovéus perdeu a conta dos calos, é o mesmo que ajeita os cavalos à serventia dos bastos, trazendo em si as autoras de arrasto.

Aqui já fomos maragatos e chimangos, hoje em paz, abaixo do tapeado, sombreamos nossos sonhos, encilhados ao desejo de não servir de escravo. Habitantes do arreio, senhores do estribo…”

CLIQUE AQUI para ler a íntegra do artigo “Alma farroupilha (II)”, de Vitor Hugo do Amaral Ferreira, colaborador semanal deste sítio. Advogado formado em Direito pela Unifra, com especialização (na área de Violência Doméstica contra Criança e Adolescente)  na USP e  mestrado em Integração Latino-Americana, Amaral Ferreira é também, entre outras atividades, coordenador do Procon/Santa Maria.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo