EducaçãoPolíticaTrabalho

NÃO CUSTA LEMBRAR. E o CPERS continua brabo

Confira a seguir trecho da nota publicada na madrugada de 1º de dezembro de 2011, quinta:

GREVE DOCENTE. CPERS embrabece feio com o governo. Resta ver o próximo passo

A direção do CPERS Sindicato não gostou nadinha da correspondência enviada pelo Governo do Estado, via secretário de Educação, José Clóvis Azevedo. A considerou desrespeitosa. Já representante da pasta se surpreendeu com a virulência das palavras dos sindicalistas, a começar pela presidente da entidade, Rejane de Oliveira.

É bastante possível, e isso é opinião do editor, que o Palácio Piratini tenha se dado conta que a greve é mesmo reduzida, a ser verdadeiro levantamento que aponta apenas 1,56% das escolas paralisadas em todo o Rio Grande…”

PARA LER A ÍNTEGRA, CLIQUE AQUI           

PASSADO EXATAMENTE UM ANO da publicação da nota, está em discussão, na Assembleia, projeto de reajuste salarial do magistério. Poucos acreditam, porém, exceto quem sabe algumas lideranças do professorado, no sucesso de uma greve – inclusive pelo exemplo de 2011 em que o movimento demonstrou-se numericamente mais frágil do que imaginava o próprio CPERS. Agora, isso não significa que os sindicalistas estejam de bom humor. Isso, não.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo