EducaçãoEstadoTrabalho

ESSES NÚMEROS… Governo diz que 45% das escolas da rede estadual pararam. Para CPERS, 85%

De acordo com o CPERS, mais de 4 mil participaram da manifestação em frente ao Piratini
De acordo com o CPERS, mais de 4 mil participaram da manifestação em frente ao Piratini

O certo é que o movimento chamou a atenção. Em Santa Maria, o núcleo do CPERS Sindicato anunciou que nove em 10 escolas pararam suas atividades. No Estado, os sindicalistas afirmam que foram 80%. Os números, de todo modo, conflitam com a avaliação da secretaria de Educação, que estima em 45% o total de estabelecimentos paralisados.

Enfim, começou, nesta segunda-feira, a greve de três dias do magistério estadual, que quer o pagamento do piso nacional da categoria. Aliás, o secretário José Clovis de Azevedo garante que nenhum docente gaúcho recebe abaixo do piso. E agora?

Agora você confere as duas versões. A seguir, em reportagem publicada pela versão online de Zero Hora, as posições do governo. Logo abaixo, em material da assessoria de imprensa do CPERS, a versão dos sindicalistas, em texto assinado por João dos Santos e Silva, com foto de André Ávila. Acompanhe:

Secretaria da Educação aponta que 45% das escolas públicas aderiram à greve dos professores…

…O governo estadual aponta que 45% das escolas públicas gaúchas estejamparalisadas — total ou parcialmente — nesta terça-feira. Segundo o secretário de Educação Jose Clovis de Azevedo, os professores que aderiram à greve terão o ponto cortado e sofrerão desconto nos rendimentos. O Cpers coordena uma manifestação em frente ao Palácio Piratini, em Porto Alegre.

Em entrevista ao programa Gaúcha Repórter, da Rádio Gaúcha, Azevedo atribuiu nota 8 ao ensino no Estado, mas creditou nota 6 à estrutura e salário dos docentes. Reforçou que os salários da categoria no Rio Grande do Sul não ficam abaixo do fixado no piso nacional (R$ 1.567).

– A maioria dos Estados paga o piso como remuneração, não como vencimento-base. Nós cumprimos integralmente a hora-atividade – afirmou. O secretário exemplificou sua manifestação com base em um salário de R$ 1 mil. Para completar o valor do piso, o professor recebe os R$ 567 que faltam, mais as gratificações as quais tem direito…” (segue AQUI)

Greve: manifestação reúne milhares em Porto Alegre

Mais de quatro mil trabalhadores estaduais da educação participaram da caminhada e do ato público organizados pelo CPERS/Sindicato na tarde desta terça-feira 23, em Porto Alegre. A manifestação foi a principal atividade do primeiro dia da greve de três dias pelo cumprimento da lei do piso e contra o desmonte da educação pública no Rio Grande do Sul.

Segundo informações dos núcleos do sindicato, distribuídos em todas as regiões do Estado, 80% das escolas da rede estadual paralisaram as atividades neste primeiro dia. 

Na manifestação desta tarde, depois de se concentrarem em frente ao sindicato, os educadores seguiram, em caminhada, em direção à praça da Matriz, passando pelas ruas Alberto Bins, Otávio Rocha, Dr. Flores, Salgado Filho, Borges de Medeiros e Jerônimo Coelho.

Com a praça da Matriz tomada pela categoria, o sindicato denunciou a reforma do ensino médio, voltada a formar mão de obra barata para o Mercado…” (segue AQUI)

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo