ColunaObservatório

OBSERVATÓRIO. A eutanásia na CPI da Kiss

Não custa rememorar. A oposição articulava uma Comissão Parlamentar de Inquérito. Objetivo: investigar possíveis falhas, no âmbito do Poder Executivo, que teriam levado à tragédia de 27 de janeiro.

O governo, Palacete da SUCV incluído, sentiu o cheiro e desconfiou que a culpa (administrativa) acabaria no seu colo. Decidiu antecipar-se. Em jogada política legítima (ainda que muito discutível eticamente, para dizer o mínimo) criou ele mesmo uma CPI para chamar de sua.

O roteiro, em fato determinado bastante amplo, era simples: deixar o tempo correr, sem maiores sobressaltos, aprovar o relatório na CPI e no plenário e dar a história por encerrada. De preferência, em tempo recorde.

Pooois é. Ia tudo muito bem, até que o que a oposição não conseguia, a Associação dos Familiares das Vítimas obteve: um discurso eficiente, ao afirmar que “sentia cheiro de impunidade”. Isso, somado aos nomes sugeridos pela bancada “do outro lado”, e que incluíam figuras potencialmente complicadas para o governo, levou à sugestão de parar com os depoimentos.

Por um mês. Justamente aquele em que os edis estarão discutindo a reforma administrativa. Isto é: em linguagem metafórica, eutanásia. Desligar os aparelhos. E esperar o paciente (a CPI) morrer.

A decisão só foi revertida (foi, mesmo?) depois do bafafá criado em torno do assunto. Poois é. Ah, e funcionaria? É possível. Mas a um caro custo. Maior até do que a manobra que levou ao nascimento da Comissão. E é bom não duvidar disso.

 

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Um Comentário

  1. Estamos fazendo uma colagem de todas noticias ligadas a esta CPI e no futuro enviaremos para os descendentes dos envolvidos. filhos e netos deles, para que saibam em que sujeira seus pais, avós estiveram metidos… os ANAIS da câmara ficaram manchados por esta CPI faz de conta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo