EstadoJudiciárioPolítica

JUSTIÇA. Tarso Genro se sentiu injuriado e difamado por João Luiz Vargas e encaminhou a denúncia ao MP

Vem aí um embate jurídico. O pano de fundo é um livro publicado pelo ex-deputado e ex-presidente do Tribunal de Contas do Estado, um dos acusados na “Operação Rodin”, João Luiz Vargas. Nele, o autor faz acusações ao atual governador, Tarso Genro.

O resultado do momento é uma ação na Justiça, como você confere no material originalmente publicado pelo jornalista André Machado no blogue que edita no portal da RBS. A seguir:

Tarso encaminha denúncia contra João Luiz Vargas

O governador Tarso Genro encaminhou ao Ministério Público Estadual denúncia contra o ex-deputado e ex-conselheiro do Tribunal de Contas do Estado, João Luiz Vargas. Pede ao Procurador Geral de Justiça, Eduardo de Lima Veiga, que promova denúncia por injúria e difamação contra Vargas. Réu na Operação Rodin, o ex-parlamentar lançou neste ano o livro Conspiração Rodin, apresentando a sua versão da investigação que destruiu a sua trajetória política.

No livro, Vargas defende que a Rodin foi “uma criação direta do petista Tarso Genro” para “limpar o campinho” para que o então ministro da Justiça conquistasse o Governo do Rio Grande do Sul. Mais adiante faz comparações do atual governador com o nazismo e com o comunismo soviético e acusa Tarso de fazer “culto a morte” ao compara-lo com José Millan-Astray, militar espanhol que cunhou o lema “viva a morte”.

“O autor do livro apenas preocupou-se em desconstruir a imagem de pessoas que realizavam seu trabalho de forma competente, mostrando-se leviano ao não comprovar de nenhuma forma sua teoria esdrúxula e sem o mínimo de veracidade”, escreve o governador na denúncia encaminhada ao PGJ…”

PARA LER A ÍNTEGRA, CLIQUE AQUI.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

4 Comentários

  1. “schirmer, reage ou renuncia”
    Zero Hora 27/07/2013
    Seis meses e só dissimulação, esconder-se ,fugas, reação, “ZERO”, eu diria.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo