HistóriaJudiciárioPolítica

NÃO CUSTA LEMBRAR. Sim, Collor foi condenado

Confira a seguir trecho da  nota publicada na madrugada de 30 de setembro de 2012, domingo:

HISTÓRIA. Os 20 anos do processo político que tirou Collor da Presidência. No Supremo, ele foi absolvido

Bueno, do ponto de vista político há uma condenação e uma redenção. No que toca ao Judiciário, absolvição. O que prevalecerá na história, daqui a 200 anos, não sabemos. Embora quiséssemos – vamos confessar.

O fato é que a população alagoana devolveu Fernando Collor de Mello à política – e ele é hoje um senador da República. Da mesma forma que o Supremo Tribunal Federal (que, naquela época, não transformava indícios em prova) o absolveu.

Mas, e o processo político? Bem, este começou há 20 anos, na Câmara dos…”

PARA LER A ÍNTEGRA, CLIQUE AQUI

PASSADO EXATAMENTE UM ANO da publicação da nota, é interessante essa revisita ao tempo. Afinal, agora são 21 anos da condenação política de Fernando Collor. Que, aliás, após pagar sua “conta” foi à redenção – pelas urnas, que é onde deve ser, nas democracias. Já no Judiciário, bem, ali ele nunca deveu nada. Tanto que foi absolvido. Sem ninguém nas ruas e na mídia reclamando, aliás. Pooois é.

 

 

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo