CampoCiênciaMeio AmbienteUFSM

CAMPO. É possível praticar a agroecologia, sem o uso de produtos tóxicos? Pesquisa na UFSM tratará disso

O trabalho é da mestranda em Dinâmicas Socioambientais e Estratégias de Desenvolvimento Rural na UFSM, Tanny Oliveira Lima Bohner, em conjunto com seu orientador, o professor José Geraldo Wizniewsky. O objetivo é analisar o nível de conhecimento dos agricultores e dos profissionais técnicos, a propósito das informações acerca da manipulação de agrotóxicos.

É evidente, e aqui quem diz é o editor, tratar-se de tema que, de alguma maneira, haverá de ser introduzido na sociedade em algum momento. Afinal, alimentação saudável deve (ou deveria) ser meta e possibilidade para todos. Ah, sobre a pesquisa, o que ela significa e onde será feita, entre outras informações, vale conferir o material publicado no sítio da UFSM. O texto é de Claudine Freiberger Friedrich. A seguir:

agroecologiaEm prol da agroecologia

Agrotóxicos são produtos químicos que têm a finalidade de combater pragas, doenças e plantas daninhas que possam comprometer a produção agrícola. Eles auxiliam na diminuição dos custos da produção e na obtenção de uma maior produtividade. Entretanto, causam efeitos adversos ao meio ambiente e à saúde humana.

Ao levar em conta o crescente uso de agrotóxicos nas lavouras brasileiras e os prejuízos causados pelo uso inadequado e indiscriminado desses insumos, a mestranda em Dinâmicas Socioambientais e Estratégias de Desenvolvimento Rural na UFSM, Tanny Oliveira Lima Bohner, desenvolveu seu projeto de dissertação voltada ao tema “Agrotóxicos e Sustentabilidade: Percepções e Comunicações no Meio Rural”.

O professor orientador do projeto, José Geraldo Wizniewsky, formou-se em Agronomia pela Universidade Federal de Santa Maria em 1984. Wizniewsky cita que, desde sua graduação, fomentou interesses em construir uma agricultura eficiente sem o uso de agrotóxicos, com base nos princípios do campo de conhecimento científico da agroecologia.

O trabalho que os dois pesquisadores desenvolvem é focado na necessidade de diminuir o impacto dos insumos na saúde pública e no meio ambiente e de indicar caminhos aos agricultores para que possam produzir sem o uso de agrotóxicos. Para isso, pretendem realizar uma análise das razões e das percepções dos produtores que usam e dos que deixaram de usar/abandonaram os agrotóxicos. A iniciativa deseja atingir não apenas os produtores elitizados, mas também os menos favorecidos.

A ideia está centrada em diminuir ou extinguir o uso de venenos agrícolas, para que as doenças relacionadas à exposição direta ou indireta possam ser evitadas. Também intenciona-se alertar agricultores a respeito do manuseio do produto, da alta toxidade de agrotóxicos contrabandeados, da obrigatoriedade do uso de Equipamento de Proteção Individual (EPI) e a necessidade de respeitar o período de carência (intervalo necessário entre a última aplicação e a colheita). O projeto visa…”

PARA LER A ÍNTEGRA, CLIQUE AQUI.

ATENÇÃO


1) Tua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo