CulturaMemória

MEMÓRIA. A morte de Cesar Lindemeyer comove a área cultural e, particularmente, o movimento nativista

Lindemeyer: luto no nativismo (foto Feicebuqui)
Lindemeyer: luto no nativismo (foto Feicebuqui)

Será sepultado amanhã, em São Borja, o corpo do cantor Cesar Lindemeyer, que morreu esta tarde no Hospital Universitário de Santa Maria, onde estava internado desde a última segunda-feira. Ele tinha 60 anos, era viúvo e deixa três filhos.

Lindemeyer, que há vários anos enfrentava problemas de saúde, estava radicado na boca do monte há cerca de duas décadas e era um dos grandes nomes do nativismo do Rio Grande do Sul. Recentemente, chegou a estar a ficar em coma durante 45 dias, como relata uma elucidativa reportagem DISPONÍVEL na versão online do Diário de Santa Maria.

O músico, cujo desaparecimento comove o setor cultural de uma forma geral, e o nativismo muito particularmente, era um dos grandes nomes da música gaúcha, tendo somado cerca de duas centenas de troféus recebidos em festivais nativistas.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo