CidadaniaEducação

EDUCAÇÃO. Liliana de Oliveira e as atribuições do mestre e do educador – maiores que a do professor

“…Fico pensando naquilo que fazemos como educadores. Fico pensando no fracasso de uma educação que não nos sensibiliza para aquilo que é fundamental, que é a compreensão e a aceitação do outro e de tudo aquilo que é diferente de nós. Fico pensando na responsabilidade que temos como educadores de seriamente nos propormos a discutir e refletir sobre a sexualidade humana dentro das instituições. Pais e professores, ao ignorar essas questões, estão criando adultos preconceituosos, machistas e mal informados.

Quando pensamos na escola, geralmente pensamos no ofício do professor que nada mais é do que apresentar uma tradição, ensinar uma doutrina, transmitir conhecimentos. Entretanto, não penso aqui no professor, mas no educador ou mestre. Estou pensando naquele que…”

CLIQUE AQUI  para ler a íntegra do artigo “Ensino como armadura para a vida”, de Liliana Souza de Oliveira – que escreve semanalmente, as terças-feiras. Ela é graduada e Mestre em Filosofia pela UFSM. Atualmente doutoranda em Educação na mesma Universidade e professora de Filosofia do Instituto Federal Farroupilha/Campus São Vicente do Sul.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo