Destaque

TRÂNSITO. Levantamento da Brigada Militar aponta: um motorista bêbado autuado a cada dois dias em SM

Na madrugada do último domingo, uma adolescente de 16 anos morreu após ser atropelada na calçada, na rua Serafim Valandro

A morte da adolescente Milena Umpierre Alves, 16 anos, atropelada por um motorista bêbado, na madrugada de domingo, virou motivo para pauta sobre incidências no trânsito local, por parte dos dois jornais da cidade. Uma delas é a que você confere a seguir. Foi publicada em A Razão, assinada por Fabrício Minussi. A foto é de reprodução. Acompanhe:

Um motorista bêbado é autuado em Santa Maria a cada 2 dias – BM revela os números relativos às autuações por embriaguez no trânsito, no perímetro urbano

A cada dois dias um motorista é autuado por embriaguez no trânsito, em Santa Maria. A estatística faz parte de um levantamento realizado pela Brigada Militar (BM), a pedido de A Razão. Os dados correspondem às ocorrências registradas pela corporação, nas fiscalizações e blitze, realizadas, somente, no mês de janeiro de 2017. No período foram 15 motoristas flagrados dirigindo sob o efeito de bebida alcoólica.

A estatística torna-se mais expressiva quando considerarmos a quantidade de autuações realizadas pela Polícia Militar (PM), no primeiro mês do ano. Ao todo, segundo o chefe do P3 (seção que organiza as operações de trânsito), capitão Sandro Martins, foram 300 autuações no trânsito, realizadas pela BM, somente em janeiro.

“Trata-se de um recorde. Nunca tivemos tantas ocorrências de trânsito num só mês na cidade”, avalia o capitão. Calculando a média, são cerca de dez ocorrências de trânsito atendidas por dia na cidade.
Segundo o capitão, o levantamento também considera outras infrações, como a perturbação do sossego público e outros delitos, como acidentes de trânsito atendidos pela corporação.

Os locais onde a fiscalização tem atuado com mais incidência são vias tradicionais, frequentadas, na sua maioria, por jovens e, principalmente, à noite. No relatório obtido por A Razão, os locais onde as autuações ocorrem com mais frequência são as ruas Venâncio Aires e Serafim Valandro, e as avenidas Hélvio Basso e Ângelo Bolson.

O último caso atendido por embriaguez no trânsito foi justamente o acidente que matou, na madrugada do último domingo (19), a jovem Milena Umpierre Alves, 16 anos. Ela foi atropelada por uma caminhoneta conduzida por um jovem de 25 anos. A vítima encontrava-se na calçada da Rua Serafim Valandro, em frente a uma casa noturna. O motorista foi atuado em flagrante e recolhido à Penitenciária Estadual de Santa Maria (PESM), mas ganhou liberdade provisória ontem.

O QUE DIZ O CÓDIGO DE TRÂNSITO BRASILEIRO

Art. 302. Praticar homicídio culposo na direção de veículo automotor:

Penas – detenção, de dois a quatro anos, e suspensão ou proibição de se obter a permissão ou a habilitação para dirigir veículo automotor.

Parágrafo único. No homicídio culposo cometido na direção de veículo automotor, a pena é aumentada de um terço à metade, se o agente:

I – não possuir Permissão para Dirigir ou Carteira de Habilitação;
II – praticá-lo em faixa de pedestres ou na calçada;
III – deixar de prestar socorro, quando possível fazê-lo sem risco pessoal, à vítima do acidente;
IV – no exercício de sua profissão ou atividade, estiver conduzindo veículo de transporte de passageiros.

Art. 306. Conduzir veículo automotor com capacidade psicomotora alterada em razão da influência de álcool ou de outra substância psicoativa que determine dependência: (Redação dada pela Lei nº 12.760, de 2012)
Penas – detenção, de seis meses a três anos, multa e suspensão ou proibição de se obter a permissão ou a habilitação para dirigir veículo automoto

“Eles são jovens e com antecedentes”

O delegado de Polícia Civil, Gabriel Zanella, confirma a estatística e vai mais além: ele traça o perfil do infrator do trânsito na cidade. O delegado comanda a equipe que investiga casos de embriaguez, homicídios culposos e lesões majoradas no trânsito. “São em grande número jovens, mas, sobretudo, com histórico de antecedentes, por embriaguez, dirigir sem carteira, lesão corporal ou de violação do direito de dirigir por delito anteriormente praticado”, comentou o delegado.

Zanella também conta que o fato do motorista flagrado com visíveis sintomas de embriaguez ao volante não ser obrigado a realizar o teste do etilômetro (bafômetro), para não produzir prova contra si mesmo, não configura dificuldade no momento da autuação. “A prova testemunhal tem se mostrado bastante eficiente no momento das autuações. Possuímos vários casos em que a prova testemunhal basta para dar corpo ao inquérito instaurado”, afirmou o delegado.

A autoridade policial entende que a lesão da conscientização no trânsito passa, necessariamente, pela educação, “começando pela família e se estendendo às salas de aulas e campanhas educativas. Esses são os meios que dispomos para formarmos motoristas mais conscientes e comprometidos com a segurança de todos”, disse.

INQUÉRITOS

Segundo levantamento realizado na manhã de ontem pela equipe comandada pelo delegado Zanella, em 2016, a Polícia Civil instaurou 122 inquéritos relacionados à ocorrências de trânsito em Santa Maria. Já no acumulado de janeiro de 2017, já foram instaurados 17 inquéritos – quatro a mais do que no mesmo período em 2016.”

PARA LER A ÍNTEGRA, NO ORIGINAL, CLIQUE AQUI.

ATENÇÃO


1) Tua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo