Destaque

(IN)SEGURANÇA. Agora, vítima foi o policial. Colegas prestam homenagem em SM. Confira também o vídeo

Além dos policiais civis, agentes da Susepe e policias federais também participaram da homenagem realizada na tarde desta sexta

Por MAIQUEL ROSAURO (texto, fotos e video), da Equipe do Site

A Polícia Civil de Santa Maria realizou uma homenagem ao escrivão Rodrigo Wilsen da Silveira, 39 anos, morto durante operação contra o tráfico de drogas, em Gravataí, na manhã dessa sexta-feira (23). O crime foi cometido quando um dos cinco criminosos abriu fogo contra os policiais.

A União Gaúcha dos Escrivães, Inspetores e Investigadores de Polícia do Rio Grande do Sul (Ugeirm/Sindicato) realizou homenagens ao colega assassinado em diversas cidades pelo Estado. Em Santa Maria, os policiais realizaram um sirenaço em frente à Delegacia de Polícia de Pronto-Atendimento (DPPA).

Policiais federais e agentes da Superintendência dos Serviços Penitenciários (Susepe) também participaram do ato.

“Vamos colocar as nossas vidas e as de nossas colegas em primeiro lugar”, pediu Pablo Mesquita, diretor da UGEIRM/Sindicato

“Isso poderia ter acontecido com cada um de nós por tantas situações que nós já passamos no desafio de fazer polícia civil hoje no Estado. Apenas uma coisa temos que levar para que voltemos com saúde e segurança para nossas casas: vamos colocar as nossas vidas e as vidas de nossas colegas em primeiro lugar. As nossas vidas são mais importantes do que qualquer promoção, qualquer aumento, qualquer dinheiro que o Estado possa nos passar”, afirmou Pablo Mesquita, diretor da UGEIRM.

A mulher de Silveira, Raquel Biscaglia, também escrivã, atuava na mesma operação em que o marido foi morto.

Confira trecho da homenagem dessa sexta:

 

Confira a nota de pesar divulgada pela Polícia Civil:

“A Polícia Civil do Estado do Rio Grande do Sul manifesta seu mais profundo pesar pelo falecimento, no cumprimento do dever, do Escrivão de Polícia Rodrigo Wilsen da Silveira, ocorrido nessa manhã, 23 de junho de 2017, no município de Gravataí. O Policial estava cumprindo mandado de busca na cidade de Gravataí no combate ao tráfico de drogas. No local estavam quatro homens, uma mulher e armas. O indivíduo que alvejou o policial está preso.

Ele deixa como legado sua bela trajetória marcada pelo profissionalismo e dedicação incondicionais. Diante desta perda irreparável, a Polícia Civil se solidariza com a dor dos familiares e amigos do Escrivão Rodrigo.

FamiliaPCemLuto

SomostodosRodrigo

Porto Alegre, 23 de junho de 2017.

Emerson Wendt

Delegado de Polícia

Chefe de Polícia – RS”

 

 

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

2 Comentários

  1. O busílis é simples. No mundo Pollyannico de certos “intelectuais” não existe como acomodar todos os meliantes nos presídios. Solução? Deixar todos soltos, afinal “prisão é algo medieval, no século XXI temos que ter outras alternativas”. Querem, por decreto, transformar um país subdesenvolvido da América Latina numa Suíça. Óbvio que não existem recursos para isto. Segue-se o festival de asneiras; “dinheiro não falta”, “dinheiro dá-se um jeito”, “não podemos ter mentalidade unicamente financista”, “basta vontade política”. Os outros 99% da população que se lasque.

  2. “SOU DO TEMPO……em que os juízes SÓ “falavam nos autos”.MAS TAMBÉM… …sou do tempo em que não havia internet e os computadores eram só uma máquina de escrever.” O editor, em 06/11/2016.
    “Ou será que a vingança passou a ter, para os católicos, uma importância maior que o perdão? Se for assim, tá na hora de readequar o Pai Nosso.” um certo juiz, em 07/01/2017. Para defender o “coitadismo penal” pode usar rede social?

Deixe uma resposta para O Brando Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo