Destaque

SALA DE DEBATE. Da tragédia londrina ao cenário santa-mariense de lojas e supermercados fechados

O mediador (E), com os convidados desta sexta, no “Sala”: Ruy Giffoni, Ricardo Blattes e Orlando Fonseca (foto Gabriel Cervi Prado)

Um fato internacional, ainda que com óbvias relações possíveis com Santa Maria, abriu o “Sala de Debate” desta sexta-feira, na Rádio Antena 1. No caso, o incêndio com um edifício de 24 andares e com muitos mortos e feridos.

Mas houve mais, bem mais, aliás. Com a mediação deste editor, os convidados do dia, Ricardo Blattes, Orlando Fonseca e Ruy Giffoni destrincharam as relações político-empresariais-trabalhistas que fazem Santa Maria ser uma cidade pra lá de atrasada: com restrições que não acabam mais para os consumidores. E, claro, aí tivemos um assunto recorrente: por que, afinal, não se abrem os supermercados aos domingos?

Mas há uma novidade, trazida por um ouvinte: vem aí (mais) um aplicativo de internet, para compras dominicais de produtos vendidos por supermercados. E aí, como será?

PARA OUVIR O “SALA” DE HOJE, BLOCO POR BLOCO, CLIQUE NOS LINQUES ABAIXO!!!

 

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

2 Comentários

  1. É tão recorrente esse assunto que chega a ser chato, pela óbvia constatação que não tem comprador nos domingos porque as pessoas não têm dinheiro.

    As pessoas têm dinheiro até o dia 10 e acaba. Santa Maria é pobre. Está pobre. Se tivesse compradores nos finais de semana, era óbvio que quem gosta de ganhar dinheiro abriria seus estabelecimentos sempre. Nem os sindicatos apoiam a ideia.

    Se abrem e não vendem, quem paga o custo operacional e trabalhista para não vender? O editor? Contribua, editor.

  2. Sem assistir. uma experiência. Ir no Casarão da Vale Machado e perguntar: as escadas do Corpo de Bombeiros de Santa Maria alcançam até qual andar?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo