Cultura

CARNAVAL. Festa de rua de 2018 já é discutida entre escolas de samba e Secretaria Municipal de Cultura

Representantes das escolas de samba foram recebidos pela Prefeitura na sede da SUCV. Foto Deise Fachin / Prefeitura

Por Maurício Araujo / Assessoria de imprensa da Prefeitura

A Secretaria de Cultura, Esporte e Lazer recebeu, na manhã de sábado (22), os presidentes das escolas de samba de Santa Maria. A primeira reunião de trabalho para projetar o carnaval de rua do Município para o próximo ano teve o objetivo, por parte da Prefeitura, de ouvir os representantes das agremiações e pensar, em conjunto, quais são os projetos para a realização do evento.

A secretária de Cultura, Marta Zanella, pediu aos presidentes um projeto detalhado com as propostas para a realização do carnaval em 2018. A Associação Aliança pelo Samba se comprometeu em apresentar o projeto no dia 02 de agosto à titular da pasta. Na oportunidade, a secretária reforçou que a Prefeitura não investirá recursos financeiros para a realização do evento. Ela destacou a necessidade de firmar parcerias para angariar fundos e afirmou que a Prefeitura será parceira e ajudará dentro de suas possibilidades.

“Queremos que o carnaval saia e seja excelente, por isso começamos os trabalhos cedo, para sabermos o projeto de carnaval que queremos”, disse a secretária.

Os presidentes acrescentaram que estão conscientes de que o Executivo não entrará com recursos financeiros e destacaram, durante a reunião, que a proposta da Associação deve contemplar formas de a Prefeitura colaborar com o carnaval, como com o fornecimento da estrutura, como arquibancadas, som e iluminação, entre outros pontos, para que as escolas desfilem.

O presidente da Associação Aliança pelo Samba, Leonardo Ribeiro, destacou a necessidade de as escolas terem áreas para ensaios e organização de eventos ao longo do ano e, durante o encontro, pediu apoio da Prefeitura para que estes espaços sejam viabilizados.

“Estamos trabalhando bastante para que, pelo terceiro ano, Santa Maria não perca este grande evento da cultura popular”, finalizou Ribeiro.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

4 Comentários

  1. Realidade daqueles que não tem saude, essa sim o poder publico tem responsabilidade, o resto é chororó de quem quer fazer festa com meu dinheiro de impostos.

  2. O tema financeiro do evento passou para a alçada própria dos interessados em função da escassez notória de recursos públicos e da necessidade de recursos para prioridades públicas óbvias. Prioridades. Querem carnaval de rua? Paguem do próprio bolso. Sejam criativos. Façam rifas. Vão buscar na iniciativa privada. Enquanto nessa cidade o atendimento nos postos de saúde não for de Primeiro Mundo, não se coloca um centavo em nada que não for prioritário, não é seu prefeito?

    O que causa estupefação é pedirem um espaço para ensaios ao longo do ano. Ensaios? De carnaval? E precisa? Fala sério. Alguém dessa cidade ainda vai ter de ouvir bateção de tambor nos sábados à noite durante todo o ano? E quem paga a falta de sossego e de sono?

  3. para opinar sobre o carnaval de rua de santa maria precisa-se conhecer a realidade vivenciada. as escolas de samba não querem fazer nenhum puxadinho, apenas querem não serem enroladas. quando houve desfile nos últimos anos, teve escola que gastou o dobre que recebeu da prefeitura, isto prova que fazem algo sim; mas sem a certeza do que vai acontecer fica difícil se planejar e agir. para quem está fora do carnaval fica fácil criticar as escolas e não compreender a responsabilidade do poder público neste contexto.

  4. As escolas de samba ( se assim podemos chamar ), sempre arrumando um jeito para fazer o puxadinho. Se tivessem projetos MESMO não estariam como estão há muito tempo sem fazer nada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo