Destaque

CÂMARA. Para não constranger o prefeito, vereadores rejeitam apoio à carta do Fortsuas

Vereador Valdir Oliveira (PT) teve sua moção de apoio à carta do Fortsuas rejeitada na Câmara. Foto Maiquel Rosauro

Por Maiquel Rosauro

Pela primeira vez no ano, uma moção não foi aprovada na Câmara de Vereadores de Santa Maria. Com 12 votos contrários e cinco a favor, os parlamentares rejeitaram o apoio à carta aberta de repúdio à Prefeitura, redigida pelo Fórum Regional de Trabalhadores do Sistema Único de Assistência Social (Fortsuas) – Região Centro. O motivo do veto: não constranger o prefeito Jorge Pozzobom (PSDB).

A moção de apoio foi apresentada na tribuna pelo vereador Valdir Oliveira (PT), o qual justificou que a carta denuncia o descaso com a assistência social do município. O documento, divulgado no domingo (3), também alerta para o desmonte dos centros de referência em assistência social (CRAS e CREAS) de Santa Maria e solicita o contrato emergencial de, no mínimo, 18 profissionais, entre psicólogos e assistentes sociais.

Após a defesa de Valdir, o presidente do Legislativo, Admar Pozzobom (PSDB), suspendeu a sessão e chamou os parlamentares até a Mesa Diretora. O tucano solicitou a seus colegas da base que votassem contra a moção, já que a aprovação de uma carta de repúdio ao Executivo iria constranger o prefeito, que também é seu irmão.

No retorno da sessão, não houve discussão da pauta, apenas a votação que rejeitou o apoio. Mais de uma hora depois, após reunião na sala da presidência sobre o desfile de 7 de setembro, Valdir pediu esclarecimento sobre a quantidade de votos contrários à moção, já que havia dúvida em relação a contagem.

O líder do governo na Casa, Manoel Badke – Maneco (DEM), foi duas vezes à tribuna explicar o veto. Na primeira, disse que o voto contrário ao tema da carta deve-se ao termo “repúdio”, o que ele considera como um desrespeito à administração pública. Na segunda, sustentou o seu posicionamento.

“Se fosse substituído o termo “repúdio” por “apoio ao prefeito”, tenho certeza que o voto de todos os vereadores seria favorável à moção”, afirmou Maneco.

Já Valdir explicou que não está fazendo um repúdio ao prefeito, mas sim às atitudes que estão sendo tomadas em relação à assistência social do município. Ele também criticou a interferência do governo no voto de todos os vereadores da base de Pozzobom.

“Esta Casa tem que ser independente, pois senão seremos apenas avalistas do Executivo”, disse Valdir.

No fim da sessão, o vereador Daniel Diniz (PT) subiu à tribuna e disse que Admar, como presidente da Casa, deveria representar todos os vereadores ao invés de usar o cargo para defender o seu irmão.

O tucano, por sua vez, disse que Diniz deveria fazer uma denúncia caso observasse algo errado no Legislativo, ao invés de usar a tribuna de forma vazia.

Como cada parlamentar votou
Contrários à moção
Adelar Vargas – Bolinha (PMDB)
Alexandre Vargas (PRB)
Francisco Harrisson (PSDB)
Deili Silva (PTB)
João Ricardo Vargas (PSDB)
Juliano Soares – Juba (PSDB)
Leopoldo Ochulaki – Alemão do Gás (PSB)
Lorena Santos (PSDB)
Luci Duartes – Tia da Moto (PDT)
Manoel Badke (DEM)
Marion Mortari (PSD)
Vanderlei Araujo (PP)

Favoráveis à moção
Celita da Silva (PT)
Daniel Diniz (PT)
Jorge Trindade – Jorjão (Rede)
Luciano Guerra (PT)
Valdir Oliveira (PT)

Não votou por ser presidente da Casa
Admar Pozzobom (PSDB)

Ausentes (em viagem autorizada)
Cida Brizola (PP)
João Kaus (PMDB)
Ovidio Mayer (PTB)

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

6 Comentários

  1. Se a petezada não gostou então está tudo certo. O irmão do Valdeci vai no tal Fortsuas (pela sigla não dá para notar que é tão representativo quanto uma roda de mate), fabrica uma nota e tenta “esquentar” via Casarão da Vale Machado. Um “fato político” para “cosntranger” o prefeito. Ou seja, politicagem estéril, vem do nada e vai para lugar nenhum. É mais um dos motivos pelos quais governo petista nenhum funciona, não conseguem fazer algo de útil por completa falta de capacidade. É só tosa de porco e desperdício de dinheiro.

  2. A palavra repúdio poderia ofender o prefeito, logo ele que sugere o uso de superbonder. Desrespeito e acabar com os serviços públicos para a população pobre. Ele conseguiu acabar com a política social do município. Anotem o nome dos vereadores contrários e divulguem aos eleitores para não os reelegeram, pois protegeram a incompetência visando os próprios interesses em vez dos eleitores.

  3. Eles preferem constranger a população do que constranger o Prefeito. Inúteis !!!! Pobre cidade com esta representação !!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo