Política

EXÉRCITO. General gaúcho ameaça impor intervenção militar para solucionar crise política. Confira vídeo

Em outubro de 2015, Antonio Hamilton Mourão foi exonerado do Comando Militar do Sul após criticar o governo Dilma. Foto Ivan Andrade / Federasul / Divulgação

Por Maiquel Rosauro

“Os poderes terão que buscar a solução. Se não conseguirem, chegará a hora que teremos que impor uma solução. E essa imposição não será fácil, trará problemas, pode ter certeza”.

A declaração é do general da ativa do Exército, Antonio Hamilton Mourão, proferida em uma palestra da maçonaria, em Brasília, na última sexta (15). Suas intenções de impor uma intervenção militar para solucionar a crise política vieram a público, no domingo (17), após a divulgação do vídeo abaixo.

https://www.youtube.com/watch?v=qbisQVqPbBI&feature=youtu.be

O militar gaúcho atua como secretário de economia e finanças da Força. Na teoria, um cargo burocrático, no qual não comanda tropas. Em outubro de 2015, o general foi exonerado do Comando Militar do Sul, em Porto Alegre, e transferido para Brasília, após criticar o governo Dilma.

Conforme o jornal Folha de S. Paulo, a exposição de Mourão na loja maçônica durou mais de uma hora. O militar seria membro da maçonaria no Rio Grande do Sul.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

2 Comentários

Deixe uma resposta para O Brando Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo