BRASIL. “Não existe nenhum tipo de possibilidade de qualquer intervenção militar”, diz ministro da Defesa

BRASIL. “Não existe nenhum tipo de possibilidade de qualquer intervenção militar", diz ministro da Defesa - Militares

No Rio, Jungmann participou da solenidade que marcou o fim das operações do Brasil na Missão das Nações Unidas para Estabilização do Haiti (Minustah). Foto Vladimir Platonow / Agência Brasil

Por Vladimir Platonow / Agência Brasil

O ministro da Defesa, Raul Jungmann, afirmou que não existe qualquer possibilidade de intervenção militar no Brasil, por conta da crise política, conforme pregam alguns setores da sociedade e até militares da ativa. Segundo o ministro, as Forças Armadas estão em paz dentro dos quartéis.

Raul Jungmann participou nesse sábado (21) da solenidade que marcou o fim das operações do Brasil na Missão das Nações Unidas para Estabilização do Haiti (Minustah), depois de 13 anos de atuação.

Após o evento, ele conversou com os jornalistas e garantiu que não há espaço para qualquer participação militar no país fora do que é determinado pela Constituição. As afirmações do ministro contrariam correntes políticas que pedem a volta do regime militar, caso a sociedade civil não resolva os impasses políticos e jurídicos.

“Existe paz e tranquilidade dentro dos quartéis e nas Forças Armadas. Resumo o que as Forças Armadas entendem para o momento da seguinte maneira: dentro da Constituição, tudo, fora da Constituição, absolutamente nada”, respondeu o ministro, que questionou a validade de uma intervenção para o país.

“Para que intervenção militar? Para resolver o problema da Previdência? Para resolver o problema democrático, que está resolvido? Para resolver o problema da inflação, que está sendo resolvido? Para resolver o problema do desemprego, que está caindo? Para que intervenção militar, se o Brasil está sendo passado a limpo? Temos a Lava Jato, que está punindo aqueles que são responsáveis pela corrupção.”

Jungmann destacou que o Brasil vive um momento bom, punindo os corruptos. De acordo com o ministro, o país sairá desta fase fortalecido. Acrescentou que a situação atual é de democracia.

“Não existe nenhum tipo de possibilidade de qualquer intervenção militar, porque vivemos uma situação democrática e é isso que vai continuar sendo, com o apoio das nossas Forças Armadas”.



4 comentários

  1. O Brando

    Por partes como diria Jack. Não existe perigo de intervenção militar. Mas se houvesse, o ministro da defesa não saberia. Quem definiria isto seriam os Comandos Militares das diversas regiões, não quem comanda uma mesa em BSB. É uma hipótese bastante improvável porque Castelo Branco (se não me engano) mudou as regras de promoções dos generais há tempos atrás.
    Alusão a militares da ativa é referência ao general Mourão. O que ele disse é muito diferente do circo que a mídia apresentou. General, que é oriundo da artilharia, falou em aproximações sucessivas para cálculo de logaritmos e o pessoal de humanas não entende isto, o tempo na faculdade é gasto para aprender coisas mais úteis, tais como fazer miçangas.

  2. O Brando

    Brasil sairá fortalecido? Mais provável é que saia meia boca, como sempre. Aproximações sucessivas é a chave.

  3. Cleber Winckler da Silva

    Não há a menor possibilidade de eu comer você, disse o Leão a zebra………..ré ré ré

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *