Claudemir PereiraJornalismo

SALA DE DEBATE. “Day-after” do julgamento de Lula e o que vem aí: o tema do dia, junto com os partidos

O mediador Roberto Bisogno e os convidados desta quinta-feira: Werner Rempel, Ricardo Jobim e este editor (foto Clenilson Oliveira)

Com a presença deste editor e dos convidados Ricardo Jobim e Werner Rempel, o âncora Roberto Bisogno mediou um “Sala de Debate” eminentemente político, nesta quinta-feira. Claro que a ênfase, e de uma certa maneira o que pautou todas as discussões, foi para o “day-after” do julgamento em que foi ratificada a condenação de Luiz Inácio Lula da Silva, com o aumento, inclusive, da pena inicialmente imposta.

A partir daí, tudo decorreu, inclusive as discussões sobre a corrupção (em todos os níveis e não só na política) e a importância (ou não) dos partidos políticos, com seu significado para a democracia representativa brasileira. Ah, e com grande participação dos ouvintes, é bom que se realce.

PARA OUVIR O “SALA” DE HOJE, BLOCO POR BLOCO, CLIQUE NOS LINQUES ABAIXO!!!

 

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

4 Comentários

  1. Um detalhe do julgamento de que falam pouco: os fatos foram determinados, os próximos recursos (após os embargos) só discutem matéria de direito (salvo raríssimas exceções). Os adversários do Molusco podem emoldurar o acórdão e pendurar na parede.

  2. Para melhorar o turismo na aldeia deveriam criar o Parque Jurássico Político. Colocar os fósseis vivos em exposição.
    “Estado indutor da economia” é piada. Motivo é simples: “Estado” não tem RG e nem CPF. Quando o “Estado” é Dilma, a humilde e capaz, dá no que deu. “Salvação” do Brasil não vai ser pelas mão de um político que não sabe como a iniciativa privada funciona tentando ensinar para os outros o que não sabe.
    Empresa de São Leopoldo produzindo liga metálica para a Petrobrás e parando na Boeing até prova em contrário é história da Carochinha. Afirmações genéricas se prestam para muita coisa e o ônus da prova é de quem alega.

  3. Há sempre confusão de prazos na divulgação da mídia por motivo simples: alguns recursos têm o mesmo nome (ou são “equivalentes” com nome diferente) no âmbito penal, civil, trabalhista, mas os prazos são diferentes e às vezes contados de forma diferente (caso não tenham sido alterados este ano). Já vi rábula falando no trâmite dos tribunais superiores e errando miseravelmente também. Não trabalha na área e confia na memória, fica evidente.

  4. Outro com “não li o processo”. Em programa anterior outro causídico largou esta e logo em seguida acusou o juiz Moro de prevaricação. Alguém poderia falar em calúnia ou injúria porque no caso nem existe processo para ler. Alguns acham que é possível largar uma do tipo “agora tirei o terno e a gravata e vou falar como cidadão, esqueçam que sou advogado nos próximos 15 minutos” e passado o tempo “agora coloquei o terno e a gravata de novo e voltei a ser causídico”. Um médico quando atende o telefone às 3 da matina de pijama ainda é médico. Causídicos querem fazer acreditar que é possível a separação, não é. Cavacos da profissão, eles que escolheram trabalhar com leis e direito, não podem dizer “agora sou cidadão e posso violar o ordenamento jurídico”, “agora sou rábula e indispensável a administração da justiça”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo