ESPAÇO ALVIRRUBRO. Leonardo da Rocha Bottega e homenagem aos ‘Fanáticos’, em dia de grande vitória

ESPAÇO ALVIRRUBRO. Leonardo da Rocha Bottega e homenagem aos ‘Fanáticos’, em dia de grande vitória - ESPACO_ALVIRRUBRO-2Uma vitória para quem fica atrás do gol

Foi na ensolarada e brilhosa tarde de domingo que três professores de História (Eu, Diorge Konrad e o recém convertido alvirrubro João Malaia) e um promissor estudante (Richard Prestes) se encontraram na entrada da geral da Baixada Melancólica. Assim, sem qualquer combinação prévia, como são as melhores coisas da vida! E quando a vida reúne quatro historiadores em um estádio de futebol, o assunto da crônica só pode ser a História. A História daqueles que todo dia de jogo, das múltiplas regiões da cidade, com sol, com chuva, com frio, de dia ou de noite, sempre estão lá atrás do gol: a Fanáticos da Baixada. A aniversariante da semana.

No dia 13 de abril de 2005, Serroty, Thiara, Gustavo, Charlie, Átila, Labareda, Nelson, Will entre outros, fundaram uma torcida que teria a responsabilidade de dar sequência à tradição da Comando Vermelho, da Demônios da Baixada, da Bebedores da Baixada, da Maré Vermelha e de outras tantas torcidas que passaram pelos 90 anos do Inter-SM. Uma torcida que esteve junto ao clube nos melhores e nos piores momentos. Que alegremente chorou o acesso de 2007. Que chorou a frustração de não chegar na final do Gauchão em 2008. Que chorou a perda do seu eterno maquinista, Lucas Lima, que mesmo não estando mais por aqui, lá de cima torce por nós.

São meninos e meninas que trabalham e estudam toda semana pensando nos 90 minutos de dedicação exclusiva ao alvirrubro. Meninos e meninas que (como disse recentemente a nota de repúdio à violência por eles publicada) trabalham desde os 14 anos, mas são vistos como vagabundos. Que não tem sequer uma passagem pela polícia, mas são vistos como marginais. Que pagam vários impostos, mas não são cidadãos.

ESPAÇO ALVIRRUBRO. Leonardo da Rocha Bottega e homenagem aos ‘Fanáticos’, em dia de grande vitória - inter-smMeninos e meninas que contam os trocados para a passagem do ônibus e para o ingresso. Meninos e meninas que dividem parcas moedas para comprar uma bebida que empolgue a alegria de tocar e cantar o amor por um clube sem pensar em titulo ou resultado. Afinal, o que é ganhar em campo para quem ganha na vida? Atrás do gol a vida pulsa!

E foi pulsando atrás do gol que os meninos comandados pelo Vinicius Munhoz iniciaram a partida contra o Lajeadense. Com o elegante toque de bola que deveria se tornar patrimônio histórico do clube, o Inter-SM foi envolvendo um adversário que montava a sua defesa como se fosse um muro. Para superar um muro é preciso ser gênio. Chiquinho foi. Com a leveza de quem trata a bola como uma amada, aos 29 minutos, o maestro deu um passe primoroso para Pablo. “El Mago” apenas teve o trabalho de tirar do goleiro e fazer 1X0. Mesmo com o gol, o alvirrubro demonstrava que queria fazer uma festa digna de sua torcida. Jackson, Paulo Henrique Borges, Santana e Pablo ainda tiveram chances de ampliar o placar e ir para o intervalo com a partida definida.

No segundo tempo, o Inter-SM seguiu pulsando. Desta vez, porém, atacando para o lado da aniversariante. É foi olhando no olho de sua torcida organizada que Jackson fez um cruzamento de trivela para que um apavorado zagueiro se atrapalhasse e colocasse a mão na bola. Pênalti cobrado com força pelo próprio Jackson, o menino pedreiro que deixou o Nordeste para receber o carinho da Baixada Melancólica. Eram 2 minutos e 2×0. E o pulsar, tanto da arquibancada, como do campo, não parou. Aos 6 minutos, Jackson e depois Rafinha fizeram o goleiro Vitor Hugo trabalhar. Aos 11 minutos, após uma trapalhada do zagueiro Higor, Jackson novamente quase marca tentando driblar o goleiro. Vitor Hugo mais uma vez conseguiu interceptar a bola. Aos 12 minutos, Téo cruza e Jackson cabeceia para fora. Somente aos 24 minutos o Lajeadense conseguiu assustar com um chute desviado de Juninho Pavi. Aos 38 minutos, o alvi-azul teve outra chance de descontar através de uma falta muito próxima a área. Felizmente, Roger chutou na barreira e no rebote Dadalt mandou a bola para o espaço.

Para não perder o ritmo, Jardisson e o estreante Jeorge substituíram Rafinha e Jackson. Aos 40 minutos, Jeorge fez excelente jogada e passou para o Jardisson chutar duas vezes e fazer o terceiro gol alvirrubro. Festa completa! Pouco importa se o Lajeadense descontou um minuto depois. O importante foi que os 3 x 1 recolocaram o Inter-SM na zona de classificação. O importante foi que no aniversário da Fanáticos da Baixada tivemos só alegria. Vida longa à FB! Salve o presidente Tomate, o Mauricio, o Andrey, a Paulinha, o Elias (outro grande historiador) e os demais. Salve a Banda do Gordão! Que a vida siga pulsando atrás do gol!

NOTA DO EDITOR. A foto da festa dos jogadores após um gol, neste domingo, é reprodução do perfil do Inter-SM no Feicebuqui.



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *