Eleições 2018PartidosPolítica

ELEIÇÕES 2018. Bolsonaro, bom de voto, mas rala estrutura de campanha e que já apresenta problemas

Militar que pretende ser Presidente viaja de avião de carreira, tem pouca estrutura partidária e enfrenta limitações na pré-campanha

No portal especializado PODER360, em texto de NAOMI MATSUI e imagem de Reprodução

Mesmo antes do início oficial da corrida ao Planalto, aliados do pré-candidato pelo PSL, Jair Bolsonaro, admitem limitações pelo escassos recursos financeiros.

Por enquanto, Bolsonaro planeja gastar R$ 1 milhão na disputa. Não fala se sairá do próprio bolso. O valor, no entanto, pode mudar a depender de outros fatores como as doações.

Mesmo se o valor disponível aumentar, o candidato começará muito atrás de adversários de legendas mais estruturadas. O PSDB, de Geraldo Alckmin, por exemplo, promete desembolsar R$ 70 milhões para o tucano, limite de gasto permitido para campanha presidencial.

Já o PSL, de Bolsonaro, fala que destinará “pouca ou nenhuma” verba para o militar gastar no pleito.

Com recursos insipientes, poucas alianças a siglas maiores e uma equipe reduzida de assessoramento, o militar enfrenta obstáculos.

Um dos coordenadores da campanha e filho do capitão, o também deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) admite que o pai atua como cabeça do próprio pleito, cuidando de assuntos cotidianos, como compromissos da agenda.

Eis outras limitações enfrentadas pelo militar atualmente:

deslocamento: o capitão só usa avião de carreira. Na semana passada, levou 16 horas para ir a Roraima. Fez diversas conexões: Brasília➡São Paulo➡Manaus➡Boa Vista;

propaganda: ainda não tem marqueteiro. Aliados falam em fazer as gravações da propaganda eleitoral por conta própria. “Gravamos com o celular o processo para colocar depois na internet”, relatou ao Poder360 o deputado Major Olímpio (PSL-SP);

comunicação: com uma equipe de imprensa reduzida, Bolsonaro acredita na vitória usando as mídias sociais;

media training: o deputado não faz treinamento para os debates na TV ou entrevistas, diz sua assessoria. Aconselhado por amigos, tem procurado usar 1 discurso mais afável;

Norte-Nordeste: dos 8 deputados do PSL, nenhum é eleito pelas regiões Norte e Nordeste. O pré-candidato pretende intensificar as visitas a essas localidades em maio e junho.

DE ONDE VEM O DINHEIRO

Com a proibição de doações de empresas, as campanhas deste ano terão 4 formas principais de financiamento: fundo eleitoral, fundo partidário, doações de pessoas físicas e autofinanciamento.

Bolsonaro diz que não utilizará recursos do fundo eleitoral, aprovado pelo Congresso em 2017. O militar votou contra a criação da verba.

Sem recursos do PSL e pouco caixa inicial, a saída seria apostar em doações individuais. Oficialmente, o partido afirma que ainda não definiu se usará a vaquinha virtual –o chamado crowdfunding. O período para esse tipo de coleta começa em 15 de maio.

Aliados falam, no entanto, que esse será o principal meio para estruturar financeiramente sua disputa. O PSL nega a formação de alianças para reforçar o caixa de campanha.

O próprio Bolsonaro havia falado que não deverá se licenciar de seu mandato como deputado federal por questões financeiras.

“Não pretendo me licenciar. Vou viver como? Não tenho dinheiro para nada. Vou cumprir o mínimo de presença na Câmara. É 1 direito meu”, disse em abril para o Poder360. “Me preparei para fazer campanha com R$ 1 milhão. Não preciso mais do que isso. Vou de avião de carreira, sempre dormi na casa de amigos ou hotel 3 estrelas. Como cachorro quente”.

Mesmo com poucos recursos, Bolsonaro aparece à frente de pesquisas de intenção de voto em cenários sem Lula (PT). Também é 1 dos pré-candidatos que mais têm rodado o Brasil durante a pré-campanha. A conta é que ainda não passou por apenas 7 Estados, como Bahia, Sergipe e Acre.

O militar e seus aliados também se aproveitarão do discurso de superação. “Faremos a campanha dele com a vontade e certeza de que ganharemos. Trabalharemos com o pouco que tiver. Será 1 Davi contra diversos Golias”, disse o novo presidente do PSL, Gustavo Bebiano, numa referência bíblica…”

PARA LER A ÍNTEGRA, CLIQUE AQUI.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Um Comentário

  1. Busílis é usar a régua que mediu as outras eleições para aferir uma eleição totalmente atípica.
    Objetivamente hoje, mesmo duvidando das pesquisas, Bolsonaro está na “beirada” do segundo turno e Alckmin não existe. Parece mais o cenário 2014, Aécio quase não foi para o segundo turno, iria perder para Marina.
    Vermelhinhos ficam “polarizando” com Bolsonaro (foto escolhida a dedo!) e, ao invés de atrapalhar, ajudam. Basta ver o que aconteceu com Trump nos EUA.
    NOTA DO SITE – O editor não se importa, entende que é da democracia, ser agredido pelo leitor, comentário sim, comentário também, mesmo quando ele não é o autor – ainda que seja o responsável – do texto. Mas há um limite. No caso, o da informação. O leitor, claro, que nunca tem má intenção, não percebeu, mas a foto não foi “escolhida a dedo”. É apenas a do material ORIGINAL)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo