CIDADE. Morte de menino de oito anos ainda é um mistério, diz Delegada de Polícia que investiga o caso

CIDADE. Morte de menino de oito anos ainda é um mistério, diz Delegada de Polícia que investiga o caso

CIDADE. Morte de menino de oito anos ainda é um mistério, diz Delegada de Polícia que investiga o caso - meninoDo site da Rádio Medianeira, por FABRÍCIO MINUSSI (com foto de Reprodução/Facebook)

A Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA) continua as investigações para elucidar a autoria, causas e circunstâncias da morte do menino Lázaro Augusto Fernandes Peres (foto acima), fato ocorrido por volta das 12h30 de ontem (19), no pátio de uma residência, na Rua Dom Pedrito. O menino morreu vítima de um disparo de arma de fogo, que lhe atingiu o rosto.

Em entrevista ao Programa Rádio do Povo, da Rádio Medianeira, a delegada Luiza Souza, disse que o menino teria chegado na casa de um amigo de nove anos, ferido, pedindo socorro. No momento em que o amigo abriu a porta da residência, Lázaro tombou morto. Vizinhos chamaram a Brigada Militar (BM) e uma ambulância do Samu compareceu ao local, mas encontrou o menino, que era estudante do terceiro ano do ensino fundamental, sem vida.

OUÇA A ENTREVISTA COM A DELEGADA LUIZA DIAS

Durante as investigações, ainda nesta terça-feira, o pai do menino de novo anos, de iniciais R.D.O, acabou sendo autuado, em flagrante, por porte ilegal de arma e posse de arma de fogo com registro de furto. No entanto, a delegada esclarece que a investigação está quase convencida de que esse homem não tenha tido participação no episódio. O indivíduo também não estava em casa no momento dos fatos.

Exame residuográfico de pólvora nas mãos do menino de nove anos foi realizado, descartando qualquer possibilidade de que ele tenha sido o autor de um eventual disparo acidental de arma de fogo. O mesmo exame foi pedido em relação ao menino morto, sendo que a Polícia aguarda o resultado. A arma apreendida durante as diligências não teria sido a que causou o ferimento que matou Lázaro.

A DPCA pede a qualquer pessoa que tenha alguma informação que possa ajudar na investigação, que ela pode ser prestada de forma anônima, ligando para o telefone 197 da Polícia Civil.

PARA LER A ÍNTEGRA, NO ORIGINAL, CLIQUE AQUI.



1 comentário

  1. O Brando

    Bom lembrar que apesar da tragédia ninguém vai mudar de idéia a respeito da posse de armas. Ou seja, dispensa-se os sermões.
    Quanto ao porte ilegal e posse com registro de furto não é inesperado e nem deve ser muito incomum. Fizeram um referendo, governo (que era de esquerda) perdeu. Fizeram de tudo para reverter o resultado da consulta popular por via administrativa no primeiro instante e pela via penal depois. Segurança pública foi para o vinagre. Praticamente empurraram a população para a delinquência, afinal isto aqui é Brasil. Pior, desobedecer o governo é mais grave que tráfico de drogas, roubo e corrupção.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *