REGIÃO. Júri popular em Júlio condena matador de Pinhal Grande. Sentença fica em 128 anos de reclusão

REGIÃO. Júri popular em Júlio condena matador de Pinhal Grande. Sentença fica em 128 anos de reclusão - ariostoO crime aconteceu no final de novembro de 2016, assustando a população de Pinhal Grande e adjacências, na Quarta Colônia. As acusações que pesavam sobre o agricultor Ariosto da Rosa (foto ao lado), então com 41 anos, e que demorou quase um mês para ser preso, eram quatro assassinatos e um estupro. Os crimes de morte ele confessou, o estupro não.

Rosa, que está preso desde então na Penitenciária de Santo Antão, em Santa Maria, foi julgado pelo Júri Popular hoje, em Júlio de Castilhos. O resultado você confere no material originalmente publicado na versão online do Correio do Povo, em texto de Renato Oliveira. A foto é do arquivo do site. A seguir:

Homem é condenado a 128 anos de prisão por quatro assassinatos no RS

Um homem de 43 anos, réu confesso pela morte de quatro pessoas no município de Pinhal Grande, em 2016, foi a julgamento nesta terça-feira no Salão do Júri do Fórum da cidade de Júlio de Castilhos, Norte do Rio Grande do Sul. A Corte deliberou por 9 horas e condenou o acusado a 128 anos de prisão em regime fechado, em penas acumuladas pelos homicídios.

O assassino tirou a vida de Bianca Moraes de Salles (16 anos), Alex Cardoso Leal (17 anos), Iran Gonçalves (10 anos) e Afonso Gonçalves (60 anos). O criminoso também foi sentenciado a 18 anos e oito meses de prisão pelo estupro de Bianca, que era sua enteada.

Todas as vítimas foram mortas a tiros na localidade de Rincão dos Basilios. O homem seguirá detido na Penitenciária Estadual de Santa Maria (Pesm), no distrito de Santo Antão.”

PARA LER A ÍNTEGRA, NO ORIGINAL, CLIQUE AQUI.



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *