EconomiaNegóciosPrefeituraTecnologiaUFSM

ECONOMIA. Universidades e Cacism realizam debate sobre ‘ecossistema’ de Inovação e Empreendedorismo’

Promovida por UFSM, UFN e Câmara de Comércio, Indústria e Serviços de SM (Cacism), reunião será encerrada nesta quarta-feira

Por MAURÍCIO ARAUJO (texto) e DEISE FACHIN (foto), da Assessoria de Imprensa da Prefeitura

Para despertar o espírito inovador e identificar os gargalos e as oportunidades na área, a Prefeitura Municipal participou, nesta terça-feira (14), da atividade denominada “Diagnóstico do Ecossistema de Inovação e Empreendedorismo de Santa Maria”. A promoção é da Universidade Franciscana (UFN), onde ocorreu o encontro; da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM); e da Câmara de Comércio, Indústria e Serviços de Santa Maria (Cacism), com apoio do Executivo.

A atividade é coordenada pela professora Clarissa Stefani Teixeira, da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Nesta primeira oportunidade, a docente se reuniu com representantes de diversos setores ligados à Inovação, Tecnologia e Empreendedorismo e falou sobre os ambientes propícios para o desenvolvimento destas práticas – citando a Capital de Santa Catarina como modelo -, estratégias e a forma como os atores contribuem para o pleno progresso do Município.

O prefeito Jorge Pozzobom participou do início das atividades, salientando que o Poder Público tem trabalhado para o crescimento da cidade e que tem apoiado iniciativas voltadas à Inovação.

“Encontros assim despertam iniciativas interessantes e instigam que os diversos setores que formam este ecossistema sigam engajados na busca pela Inovação em diferentes áreas”, pontuou o chefe do Executivo.

O secretário de Desenvolvimento Econômico, Turismo e Inovação, Ewerton Falk; a adjunta Ticiana Fontana; e servidores da pasta também participaram da atividade, que contou com palestra e dinâmicas.

“Na conclusão da atividade será montado um diagnóstico e apontados os gargalos e as oportunidades existentes na cidade”, explicou o secretário.

O final do encontro está marcado para esta quarta-feira (15), quando a professora Clarissa – após reconhecer o campo santa-mariense detalhado pelos participantes – debaterá, às 14h, na Cacism, o diagnóstico obtido. A partir daí, conforme -explicou o gestor de Ambiente de Inovação da UFN, Matheus Camargo, cabe aos atores que compõem o ecossistema de Inovação e Empreendedorismo de Santa Maria dar prosseguimento aos entendimentos retirados da atividade.

PARA LER A ÍNTEGRA, NO ORIGINAL, CLIQUE AQUI.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Um Comentário

  1. ‘Inovação’ é uma palavra que perdeu o sentido no Brasil. O que se vê por aí, Santa Maria não é exceção, é desenvolvimento de negócios utilizando tecnologia produzida por terceiros, mormente fora do país. Completamente diferente de ‘desenvolvimento de tecnologia’.
    Auto avaliações tentem a auto-indulgência, é positivo trazer alguém de fora. Alguém que tenha plena consciência de que a ‘exportação de cérebros’ não passa da saída de recém-formados, a maioria sem nenhuma experiência e que há bem pouco tempo eram estagiários (alguns ainda repetem isto, a população da cidade gosta de ouvir, sente-se ‘importante’). Porém seria importante trazer alguém de fora do ambiente acadêmico. Professora da UFSC é formada em educação física, doutorado (2011) foi mais para o lado da ergonomia e fez um mestrado profissional em propriedade intelectual e transferência de tecnologia.
    Se a cidade acha que alguém com láureas acadêmicas, que aprendeu o que sabe nos livros, vai conseguir dar uma contribuição significativa, boa sorte.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo