CinemaCultura

É CINEMA. Bianca Zasso e “Domingo”, cuja trama inicia em 1º de janeiro de 2003. Isso não te diz nada?

“…O primeiro dia do ex-metalúrgico em Brasília é utilizado no longa para diferenciar patrões de empregados dentro da trama, filmada na cidade de Pelotas, na região sul do Rio Grande do Sul.

Aliás, a família protagonista, capitaneada por Laura, interpretada pela veterana Ítala Nandi (agraciada como Prêmio Leila Diniz no festival), é um retrato de uma burguesia que diminuiu a renda, mas não o ego. Os empregados da casa à beira da lagoa, de paredes mofadas e telhado precário, são tratados de forma opressiva. Do outro lado da moeda, temos patrões com uma…”

CLIQUE AQUI para ler a íntegra de “A reunião da família brasileira”, de Bianca Zasso. Nascida em 1987, em Santa Maria, Bianca é jornalista e especialista em cinema pelo Centro Universitário Franciscano (UNIFRA). Cinéfila desde a infância, começou a atuar na pesquisa em 2009.  Suas opiniões e críticas exclusivas estão disponíveis todas as quintas-feiras.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo