EDUCAÇÃO. Governo indica possibilidade de recusar resultado de eleições para reitores de universidades

EDUCAÇÃO. Governo indica possibilidade de recusar resultado de eleições para reitores de universidades

EDUCAÇÃO. Governo indica possibilidade de recusar resultado de eleições para reitores de universidades - sedufsm-reitor-e-vice

Paulo Burmann, reitor da UFSM, e seu vice, Luciano Schuch, na entrevista coletiva de quarta, e que completaram primeiro ano de mandato

Por FRITZ R. NUNES (texto) e BRUNA HOMRICH (foto), da Assessoria de Imprensa da Sedufsm

A nota técnica publicada em 17 de dezembro de 2018, pelo governo de Michel Temer, caiu com uma luva para a gestão de Jair Bolsonaro, que assumiu em 1º de janeiro. Essa nota, que não tem exatamente força de lei, mas um caráter orientador, ressalta que qualquer consulta que desrespeitar o peso de 70% dos docentes e 30% de técnicos e estudantes, não será validada. Atualmente, a maioria das instituições, dentre elas, a UFSM, faz uma consulta paritária entre os segmentos. Após, os nomes são encaminhados ao Conselho Universitário, que tem uma composição de 70% a 30%, e que geralmente referenda o resultado da consulta e o envia ao MEC.

Questionado pela assessoria de imprensa da Sedufsm sobre o assunto, o reitor da UFSM, professor Paulo Burmann, disse que a questão é preocupante e que a Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais (Andifes) irá discuti-la em reunião no início de fevereiro. Esse primeiro encontro do ano será uma prévia para uma reunião posterior com a cúpula do Ministério da Educação (MEC). Para Burmann, a Federal de Santa Maria deve insistir no sistema paritário. Contudo, ele lembra que há instituições, como é o caso da UFRGS, em que a consulta já é de 70% a 30%.

Na análise do dirigente da UFSM, tão preocupante quanto a questão da consulta é a possibilidade já sinalizada pelo governo Bolsonaro, de não indicar o mais votado no processo de consulta eleitoral. Já há indicativos nesse sentido. Na semana passada, o ministro da Educação, Ricardo Veléz Rodríguez, nomeou para a função de diretor-geral do Instituto Nacional de Educação de Surdos (Ines), Paulo André Martins Bulhões, que ficou em segundo lugar na eleição interna.

Nesta quarta, 23, o jornal ‘Folha de São Paulo’ trouxe reportagem em que afirma que o governo federal nomeará Luiz Fernando Resende dos Santos Anjo como reitor da Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM), que foi o segundo colocado no processo de consulta à comunidade. Conforme matéria publicada no site do ANDES-SN, Anjo foi vencido na consulta informal e também na votação do Conselho Universitário da instituição. Durante os quatro anos de mandato de Jair Bolsonaro, o MEC terá a oportunidade de nomear um total de 11 reitores.

Democracia interna

Paulo Burmann afirma que a possibilidade de não ser considerada a decisão da comunidade universitária no processo de escolha de reitores preocupa e o assunto será levado pela Andifes ao governo. Para o reitor da UFSM, a democracia interna precisa ser respeitada.

A direção do ANDES-Sindicato Nacional dos Docentes também avalia com extrema preocupação o avançar dos acontecimentos. Eblin Farage, secretária-geral da entidade, ressalta que o Sindicato defende que a escolha de reitores se dê dentro da própria universidade. O ANDES-SN defende a eleição direta realizada pelos três segmentos da universidade com voto paritário, sem consultas informais ou submissão de listas tríplices a Brasília, diz a dirigente.

Em relação ao caso específico da UFTM, Eblin Farage faz uma dura crítica. “Repudiamos de forma veemente a ação, caso se concretize, de não respeitar a consulta pública realizada na UFTM. As consultas já são ações limitadas e pouco democráticas e nenhum governo mudou isso. Nós vamos fazer os enfrentamentos necessários para garantir que as consultas sejam respeitadas. Para garantir que o desejo das comunidades acadêmicas, seja ele qual for, seja respeitado”, enfatizou ela.

Leia mais sobre a posição do ANDES-SN AQUI

PARA LER NO ORIGINAL, CLIQUE AQUI.



1 comentário

  1. O Brando

    Primeiro: LDB prevê 70% de docentes em qualquer colegiado.
    Legalmente é possível. Reitor é uma FG, pode ser perder a função a qualquer tempo. O estatuto prevê lista tríplice elaborada pelo Colegiado, sendo que este pode consultar a comunidade universitária.
    O correto é cumprir a legislação, se não agrada muda-se.
    Quanto as diversas manifestações, nota-se que a comunidade acadêmica acredita encontrar-se num feudo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *