Política

LUNETA ELETRÔNICA. James Pizarro volta ao PDT, Bolsonaro em Davos e agressões contra jornalistas

James Pizarro, na foto com a filha Betânia no colo, retornou ao partido que tem Marcelo Bisogno como presidente municipal. Foto Divulgação

Por Maiquel Rosauro

* O ex-candidato a vereador, James Souza Pizarro, retornou às trincheiras do PDT. Em 2016, o assistente social concorreu ao Parlamento de Santa Maria pelo PSB e registrou 976 votos.

* Ele foi filiado ao PDT entre 1992 e 2015. Pizarro é funcionário concursado da Prefeitura de Santa Maria, atuando na área de Assistência Social.

* “Foi 23 anos filiado ao nosso PDT, esteve três anos fora, mas agora voltou para o time do legado de Leonel Brizola. Quadro qualificado, preparado, pronto para contribuir com nosso projeto e os rumos da nossa Santa Maria”, informou o presidente do PDT/SM, Marcelo Bisogno.

* Pizarro é filho do ex-vereador James Pizarro, que atuou no Parlamento santa-mariense entre 1988 e 1992.

* O presidente Jair Bolsonaro (PSL) prepara-se para sua estreia internacional, em Davos, na Suíça, onde participará do Fórum Econômico Mundial.

* Conforme o ministro da Secretaria de Governo (Segov), general Alberto dos Santos Cruz, o presidente vai destacar sua determinação para a abertura econômica, o respeito à democracia e à legislação. Bolsonaro viaja para a Suíça no domingo (20).

* “Posso te dizer que 45 minutos na abertura de Davos para o presidente do Brasil mostra o prestígio do Brasil e prestígio da escolha que fez o povo brasileiro”, disse o general em entrevista exclusiva à Agência Brasil e à Rádio Nacional.

* A Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) registrou, em 2018, 156 casos de violência a jornalistas e comunicadores em contexto político, partidário e eleitoral.

* Foram 85 ataques por meios digitais (com 69 profissionais afetados) e outros 71 casos físicos (com 66 atingidos). Em 2019, dois casos de ataques por meios digitais foram registrados.

* Os dados coletados pelo monitoramento da Abraji, em 2018, foram mencionados no relatório anual da ONG Human Rights Watch, divulgado quinta-feira (17).

* Em 1º de janeiro, duas jornalistas de diferentes veículos foram atacadas nas redes sociais depois de manifestar desagrado com as condições de trabalho da imprensa durante a posse de Bolsonaro.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

3 Comentários

  1. Dizer que existem criaturas que ousam escrever sobre os fatos do mundo, com nome e sobrenome e, às vezes, arriscando a própria vida, e também existem uns goiabas que se escondem atrás de pseudônimos/trocadilhos escatológicos e infantis. Todos são chamados de “seres humanos”. Ainda apontam o dedo para “julgar”.

  2. Dizer que existem criaturas que se metem em zonas de guerra para documentar os fatos, levam tiro e bomba junto com os combatentes, e também existem uns goiabas que reclamam de frescuras. Todos são chamados de ‘jornalistas’. Ainda reclamam de ‘justiça’.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo