LUNETA ELETRÔNICA. James Pizarro volta ao PDT, Bolsonaro em Davos e agressões contra jornalistas

LUNETA ELETRÔNICA. James Pizarro volta ao PDT, Bolsonaro em Davos e agressões contra jornalistas

LUNETA ELETRÔNICA. James Pizarro volta ao PDT, Bolsonaro em Davos e agressões contra jornalistas - PDT-SM

James Pizarro, na foto com a filha Betânia no colo, retornou ao partido que tem Marcelo Bisogno como presidente municipal. Foto Divulgação

Por Maiquel Rosauro

* O ex-candidato a vereador, James Souza Pizarro, retornou às trincheiras do PDT. Em 2016, o assistente social concorreu ao Parlamento de Santa Maria pelo PSB e registrou 976 votos.

* Ele foi filiado ao PDT entre 1992 e 2015. Pizarro é funcionário concursado da Prefeitura de Santa Maria, atuando na área de Assistência Social.

* “Foi 23 anos filiado ao nosso PDT, esteve três anos fora, mas agora voltou para o time do legado de Leonel Brizola. Quadro qualificado, preparado, pronto para contribuir com nosso projeto e os rumos da nossa Santa Maria”, informou o presidente do PDT/SM, Marcelo Bisogno.

* Pizarro é filho do ex-vereador James Pizarro, que atuou no Parlamento santa-mariense entre 1988 e 1992.

* O presidente Jair Bolsonaro (PSL) prepara-se para sua estreia internacional, em Davos, na Suíça, onde participará do Fórum Econômico Mundial.

* Conforme o ministro da Secretaria de Governo (Segov), general Alberto dos Santos Cruz, o presidente vai destacar sua determinação para a abertura econômica, o respeito à democracia e à legislação. Bolsonaro viaja para a Suíça no domingo (20).

* “Posso te dizer que 45 minutos na abertura de Davos para o presidente do Brasil mostra o prestígio do Brasil e prestígio da escolha que fez o povo brasileiro”, disse o general em entrevista exclusiva à Agência Brasil e à Rádio Nacional.

* A Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) registrou, em 2018, 156 casos de violência a jornalistas e comunicadores em contexto político, partidário e eleitoral.

* Foram 85 ataques por meios digitais (com 69 profissionais afetados) e outros 71 casos físicos (com 66 atingidos). Em 2019, dois casos de ataques por meios digitais foram registrados.

* Os dados coletados pelo monitoramento da Abraji, em 2018, foram mencionados no relatório anual da ONG Human Rights Watch, divulgado quinta-feira (17).

* Em 1º de janeiro, duas jornalistas de diferentes veículos foram atacadas nas redes sociais depois de manifestar desagrado com as condições de trabalho da imprensa durante a posse de Bolsonaro.



3 comentários

  1. O Brando

    Dizer que existem criaturas que se metem em zonas de guerra para documentar os fatos, levam tiro e bomba junto com os combatentes, e também existem uns goiabas que reclamam de frescuras. Todos são chamados de ‘jornalistas’. Ainda reclamam de ‘justiça’.

  2. Luciano do Monte Ribas

    Dizer que existem criaturas que ousam escrever sobre os fatos do mundo, com nome e sobrenome e, às vezes, arriscando a própria vida, e também existem uns goiabas que se escondem atrás de pseudônimos/trocadilhos escatológicos e infantis. Todos são chamados de “seres humanos”. Ainda apontam o dedo para “julgar”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *