SALA DE DEBATE. De Leonel Brizola às ditaduras do Cone Sul, passando pela mídia, Supremo, Judiciário...

SALA DE DEBATE. De Leonel Brizola às ditaduras do Cone Sul, passando pela mídia, Supremo, Judiciário…

SALA DE DEBATE. De Leonel Brizola às ditaduras do Cone Sul, passando pela mídia, Supremo, Judiciário... - sala-2

Com a mediação deste editor (E), os convidados Ricardo Blattes, Antonio Carlos Lemos e Péricles Costa (foto Gabriel Cervi Prado)

Um programa bem animado, o de hoje, entre meio dia e 1 e meia da tarde, na Rádio Antena 1. O Sala de Debate, com a ancoragem deste editor, teve a participação de Ricardo Blattes, Antonio Carlos Lemos e Péricles Lamartine Palma da Costa. Mas, enfim, sobre o que se falou, mesmo? Tudo começou com o registro de Péricles, acerca dos 97 anos de (se vivo fosse) Leonel de Moura Brizola, ex-governador do Rio Grande do Sul e do Rio de Janeiro e ex-candidato, duas vezes, à Presidência da República.

A partir da figura do histórico político gaúcho se desenvolveu a narrativa do “Sala” desta terça-feira, com intensa participação dos ouvintes. E os temas? Bueno, do Poder Judiciário (e suas mazelas), à mídia (especialmente a combatida Globo, por Brizola) e as ditaduras do Cone Sul da América (o político esteve exilado no Uruguay) foi um pulo. Ou vários pulos. Vale conferir.

PARA OUVIR O “SALA” DE HOJE, BLOCO POR BLOCO, CLIQUE NOS LINQUES ABAIXO!!!

 



3 comentários

  1. O Brando

    Finado Itagiba. Darcy Ribeiro nunca foi sombra de ninguém. Quem levou Darcy (que era antropólogo, estudava os indígenas) para a militância pela educação, começo de conversa, foi Anísio Teixeira.
    Anacronismo. Julgar Gege por atitudes que tomou com informações que ele não tinha na época. Quando começou a 2ª Guerra já havia acontecido a Intentona Integralista que foi uma das justificativas do Estado Novo.
    Operação Condor aconteceu num contexto de Guerra Fria. Começou em 68, mesmo ano da Primavera de Praga (por exemplo), mas disto os vermelhinhos não lembram.
    Ditadura chilena é cria dos americanos. Não poderia haver outra Cuba na América, teoria do dominó.
    Marinhos com 10 bilhões na conta cada um, não vão dormir preocupados hoje.

  2. O Brando

    Há que se tomar cuidado. Gabeira, Roberto D’Avila, Monica Waldvogel, Leila Sterenberg, Heraldo Pereira, Sardenberg (parece que saiu), Xexéo, João Borges, De Nuccio, Samy Dana, Sapieve, Noriega, Marcelo Barreto, etc. Diferenças ideológicas a parte, tem gente competente por lá.
    Não tem arrependimento e o Molusco continua preso!
    Sou do tempo que ‘jurista’ era alguém que contribuiu significativamente para a disciplina do direito. Até isto hoje avacalhou-se.
    Kuakuakuakuakua. STF na média não poderia ser mais medíocre. Falou o Aiatolá do Direito do Universo, kuakuakuakuakua.
    Marco Aurélio já vislumbra o pijama e ligou o P#od@-se.
    Mentalidade burocrática, um juiz colhe as provas e outro só verifica se a papelada está em ordem e carimba uma sentença. Detalhe: muito mais gente com privilégios. Comarcas pequenas só tem um juiz.

  3. O Brando

    Justiça do Trabalho não vai terminar porque é muito caro. O que poderia ser feito é unificar as carreiras da magistratura a nível federal. Um juiz federal tem que saber todo o direito público, ambiente, etc. Um juiz do trabalho tem volume de serviço, mas menos variabilidade, é um apertador de parafuso jurídico.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *