MÍDIA. Dos grandes do Estado, com rádio, jornal e internet, Grupo Gazeta entra em recuperação judicial

MÍDIA. Dos grandes do Estado, com rádio, jornal e internet, Grupo Gazeta entra em recuperação judicial

MÍDIA. Dos grandes do Estado, com rádio, jornal e internet, Grupo Gazeta entra em recuperação judicial - coletiva-gazetaDa redação do portal especializado Coletiva.Net, com foto de Divulgação

A Gazeta Grupo de Comunicações, de Santa Cruz do Sul, está em recuperação judicial. O pedido foi acolhido pela Justiça estadual nesta terça-feira, 29, e tornado público pela empresa ontem (quinta), 31. Em nota, a organização informou que o procedimento é necessário para retomar o equilíbrio financeiro das empresas, que sofreram com a crise econômica nos últimos anos e com a ruptura tecnológica. A companhia é proprietária dos jornais Gazeta do Sul e Gazeta da Serra, de cinco rádios Gazeta AM e FM – em Santa Cruz do Sul, Rio Pardo e Sobradinho -, da editora Gazeta e do portal de notícias Gaz. A medida está prevista na Lei 11.101/2005 e tem o objetivo de evitar a falência de empresas.

Em entrevista ao Coletiva.net, o diretor-presidente do grupo, André Jungblut, relatou que, há cerca de três ou quatro anos, a Gazeta fez investimentos com capital de terceiros. No último ano, segundo o empresário, “foi preciso reorganizar as contas por meio de agentes financeiros, mas estes foram muito duros na negociação”. Jungblut informou, ainda, que os veículos citados acima têm um controle de capital bastante interligado, o que justificou a inclusão no processo. “Os custos cresceram e essa foi a medida que encontramos para buscar o reequilíbrio”, pontuou, acrescentando que o objetivo, ao comunicar sobre a situação, foi tranquilizar as comunidades do Vale do Rio Pardo e Centro-Serra, onde tem atuação.

Durante esse período, as receitas não acompanharam o ritmo de aumento de custos dos principais insumos. Segundo nota publicada na Gazeta do Sul, o papel-jornal, que é importado, ficou 40% mais caro em 2018, um custo que não poderia ser repassado ao mercado. Com o pedido autorizado pela Justiça, o grupo agora tem 60 dias para apresentar um plano de recuperação. Após, o juiz deverá levá-lo aos credores, que terão 180 dias para se manifestar a favor ou contra.

Questionado sobre as medidas que poderão compor o plano, Jungblut reconheceu que, embora a autorização judicial seja recente, a empresa deu início ao processo de recuperação no qual buscará ações para a redução de custos internos e que cortes no quadro de pessoal não estão descartados. Os veículos inclusos na recuperação contam, atualmente, com cerca de 160 profissionais. O diretor-presidente, no entanto, garantiu que as atividades das empresas envolvidas no processo serão mantidas. “Estamos em um momento de conversas com clientes, credores e funcionários. O que a gente defende é a reinvenção, sempre necessária”, concluiu.

Considerando-se a data de nascimento do jornal Gazeta do Sul, principal empresa do grupo, a organização soma em torno de 75 anos de atividades. Na década de 1980, a companhia inaugurou sua atuação na radiodifusão com a Rádio Gazeta AM. Em seguida, surgiu o Gazeta da Serra e novas emissoras de rádio se juntaram aos demais veículos. A editora Gazeta foi incorporada ao grupo em 1997, já o portal Gaz foi lançado 11 anos mais tarde. No último ano, a plataforma digital registrou 54,5 milhões de páginas acessadas e visitas em 4,9 milhões de dispositivos diferentes.

PARA LER NO ORIGINAL, CLIQUE AQUI.



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *