CÂMARA. Vereadores ganharão novos smartphones. Custo anual final será de R$ 37 mil para o parlamento

CÂMARA. Vereadores ganharão novos smartphones. Custo anual final será de R$ 37 mil para o parlamento

CÂMARA. Vereadores ganharão novos smartphones. Custo anual final será de R$ 37 mil para o parlamento - maiquel-licitação

Vivo apresentou a melhor oferta e saiu-se vencedora do pregão realizado terça. Na tabela, os valores dos serviços a ser prestados

Por MAIQUEL ROSAURO (com imagem de Reprodução), da Equipe do Site

Nove meses, quatro licitações e uma única voz discordante prontamente silenciada. Este é o resumo da tortuosa saga do novo serviço de telefonia móvel dos vereadores de Santa Maria, iniciada em julho do ano passado que está prestes a ser encerrada. Em pregão realizado terça-feira (8), a operadora Vivo saiu-se vitoriosa.

Hoje, cada parlamentar possui uma cota anual de telefone de R$ 6,6 mil, que incluiu um aparelho fixo no gabinete e um smartphone funcional (Samsung Galaxy S7, cedido em regime de comodato) com plano de internet. Como resultado da nova licitação, a Câmara irá receber 27 novos smartphones mais modernos e com chips em plano de comodato pós-pago (21 aparelhos vão para os parlamentares e os outros seis deverão ser distribuídos entre os principais cargos de confiança da Mesa Diretora e motoristas da Casa).

Claro e Vivo fizeram uma disputa acirrada pelo serviço de telefonia dos vereadores. Enquanto a Oi ofereceu apenas uma oferta, as duas gigantes chegaram a 25 lances até a Vivo apresentar o valor de R$ 3.099,72, não coberto pela Claro. O gasto previsto em um ano será de R$ 37.196,64.

O processo foi encaminhado à Assessoria Jurídica do Parlamento, que agora realiza análise e posterior adjudicação e homologação. O contrato a ser assinado com a Vivo terá duração de 12 meses, com possibilidade de ser prorrogado.

LEIA TAMBÉM A COLUNA DE LUIZ ROESE, QUE TRATA DO TEMA (AQUI)

Uma longa jornada

Ano passado, os pregões para contratação do serviço ocorreram em julho, outubro e dezembro. Porém, todas foram desertas e, a cada nova licitação, o Legislativo pedia aparelhos mais modestos.

Em nível de comparação, na primeira licitação, a Câmara desejava adquirir smartphones top de linha, com display mínimo de 5.1 polegadas; resolução de gravação mínima UHD 4K e processador Octa Core 2.3GHz (mínimo); sistema operacional Android ou iOS; e bateria com conversação de, no mínimo, 8h e espera mínima de 225h. Agora, o pedido foi bem mais enxuto: a resolução de gravação UHD 4K e os exigentes requisitos para a bateria foram eliminados do processo. O processador solicitado foi substituído por um razoável 1.5GHz (mínimo).

Conforme o secretário Geral da Câmara, Rodrigo Moura, por enquanto, o Legislativo ainda não sabe qual o modelo e marca dos novos smartphones que serão entregues.

“A Vivo não informou, mas tem que estar dentro das especificações mínimas”, afirma Moura.

Nas atuais configurações se encaixam, por exemplo, o iPhone XR da Apple ou Galaxy S9, da Samsung.

Benefício contestado

Em novembro do ano passado, o vereador Francisco Harrisson (MDB) ingressou com uma iniciativa na Mesa Diretora que daria fim a cota de celular com internet paga com dinheiro público. Todavia, a proposta foi rejeitada por 5 votos a um (AQUI).



1 comentário

  1. O Brando

    Repetindo, políticos de terceira divisão bancando executivos com dinheiro público. Sem fiscalização.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *