CÂMARA. Por 12 votos a 5, parlamentares rejeitam uma nova denúncia contra Prefeito Jorge Pozzobom

CÂMARA. Por 12 votos a 5, parlamentares rejeitam uma nova denúncia contra Prefeito Jorge Pozzobom

Por MAIQUEL ROSAURO (com imagem de Reprodução), da Equipe do Site

CÂMARA. Por 12 votos a 5, parlamentares rejeitam uma nova denúncia contra Prefeito Jorge Pozzobom - maiquel-denúncia-rejeitada

Além de não ter obtido resposta no tempo hábil, Valdir Oliveira indica que propaganda da Prefeitura é “enganosa”. Peça publicitária anunciou que creches até hoje não abertas estariam em funcionamento no início do ano

Pela segunda sessão consecutiva, os vereadores de Santa Maria trancaram uma denúncia contra o prefeito Jorge Pozzobom (PSDB). O denunciante, desta vez, foi o líder da oposição Valdir Oliveira (PT), que acusou o chefe do Executivo de ter cometido uma infração político-administrativa.

Conforme Valdir, a Prefeitura não respondeu um Pedido de Informação de sua autoria, protocolado em 14 de março, no qual reivindicava cópia de peças de publicitárias divulgadas pelo Município, entre janeiro e março. Além disso, também solicitava cópia do contrato celebrado entre o Executivo e a agência responsável pelas propagandas.

“O Regimento Interno da Câmara, a Lei Orgânica e a Constituição dizem que o Município tem um prazo de 15 dias, prorrogados por mais 15, para dar uma resposta ao Poder Legislativo. E, caso não responda ou omita informações, estará cometendo uma infração político-administrativa”, justificou Valdir.

Na tribuna, o petista também alegou que a propaganda do governo é enganosa. Uma das peças mostradas no Parlamento anuncia que as creches Cipriano Rocha e Vila Brenner estariam funcionando no início do ano. Porém, até o momento, elas ainda não foram inauguradas.

Valdir disse ainda que a resposta ao seu Pedido de Informação foi entregue apenas na manhã dessa terça (28). Em seguida, por ser o proponente da denúncia e estar, automaticamente, impedido de votar, o parlamentar deixou o cargo. Por alguns minutos, assumiu a vaga o psicólogo Alex Monaiar, primeiro suplente do PT.

Por 12 votos a 5, os parlamentares decidiram não dar prosseguimento à denúncia. Uma das justificativas mais contundentes foi a da vereadora Deili Silva (PTB).

“Mais uma vez a Lei Orgânica e o Regimento Interno não foram respeitados e nós assinamos embaixo. O prefeito Jorge Pozzobom está extremamente mal assessorado”, advertiu Deili.

Já o líder do governo na Casa, Cezar Gehm (MDB), reconheceu o erro do Município ao extrapolar o prazo para responder ao vereador, mas destacou que a Prefeitura não se omitiu e jamais deixou de responder qualquer questionamento.

“Conversamos com todos os gestores do nosso município e vamos corrigir todas as questões. Doravante, isso não irá acontecer”, prometeu Gehm.

Denúncia anterior

Na quinta (23), por unanimidade, os vereadores rejeitaram denúncia do líder comunitário José Francisco da Silva, o Maranhão, contra o prefeito. A acusação indicava falhas na fiscalização do aterro sanitário, com caminhões carregados com terra. Uma comissão especial do Parlamento foi formada para investigar o caso (AQUI).

Como os vereadores votaram nesta terça (28)

Favoráveis à aceitação da denúncia: Daniel Diniz (PT), Alex Monaiar (PT), Deili Silva (PTB), Luciano Guerra (PT) e Jorge Trindade (REDE).

Contrários à aceitação: Cida Brizola (PP), Ovidio Mayer (PTB), Leopoldo Ochulaki – Alemão do Gás (PSB), Luci Duartes – Tia da Moto (PDT), João Ricardo Vargas (PSDB), Manoel Badke – Maneco (DEM), Admar Pozzobom (PSDB), Cezar Gehm (MDB), João Kaus (MDB), Vanderlei Araujo (PP), Lorena Santos (PSDB) e Juliano Soares (PSDB).

Ausentes: Alexandre Vargas (PRB), Adelar Vargas – Bolinha (MDB) e Marion Mortari (PSD), em viagem à Brasília; e Celita da Silva (PT), em atividade oficial.

 



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *