SALA DE DEBATE. O bloqueio do telemarketing sem autorização, vagão incendiado e preservação histórica

SALA DE DEBATE. O bloqueio do telemarketing sem autorização, vagão incendiado e preservação histórica

SALA DE DEBATE. O bloqueio do telemarketing sem autorização, vagão incendiado e preservação histórica - sala-6

Editor (E), mediador Roberto Bisogno (D) e convidados: Antonio Carlo Lemo e Péricles Lamatine Palma Costa (foto Gabriel Cervi Prado)

É verdade que outras questões colaterais também apareceram nas discussões. Mas o fato é que o “Sala de Debate” de hoje, na Rádio Antena 1, entre meio dia e 1 e meia, teve mesmo apenas dois assuntos chamaram o suficiente a atenção, de maneira a monopolizar o programa mediado por Roberto Bisogno.

Também participaram, além deste editor e dos ouvintes (via WhatsApp), os convidados habituais da terças-feiras, Antonio Carlos Lemos e Péricles Lamartine Palma Costa.

Mas do que se tratou, afinal de contas? Um bom punhado de tempo foi utilizado para tratar da proposta, que a Anatel, agência reguladora, coloca em prática a partir de hoje, de acabar (para a maior parte das operadoras) com o telemarketing indesejado. E outro tanto, e até mais, chamou a atenção para os problema de preservação da memória histórica de Santa Maria. E o mais trágico e triste exemplo é o incêndio de um vagão estacionado no largo da Viação Férrea, em circunstancia ainda sob investigação da Polícia Civil.

PARA OUVIR O “SALA” DE HOJE, BLOCO POR BLOCO, CLIQUE NOS LINQUES ABAIXO!!!

 



3 comentários

  1. O Brando

    Da última vez que olhei a Guarda Municipal tinha uns 150 integrantes, Ou seja 50 por turno. Se formarem equipes de dois agentes viram 25. Alguns próprios municipais, centro administrativo por exemplo, precisam de vigilância permanente, questão de importância e repercussão em caso de furto/sinistro. Santa Maria deve ter umas 70 escolas municipais. Não tem como.
    Quando a criatura não consegue ligar o ponto A com o ponto B fica difícil. Estações ferroviárias, gares, não foram incluídas na privatização porque o poder publico em muitos lugares queria ‘preservar o patrimônio histórico’. Em inúmeras cidades país afora isto aconteceu, gestores competentes deram um jeito de fazer o que era prometido. Em outros a incompetência falou mais alto e o resultado foi o abandono. Alás, tem um passeio de trem entre Curitiba e Morretes que é famosíssimo.
    É a velha história dos vermelhinhos, o Estado pode tudo, quando não consegue é sempre culpa da iniciativa privada.
    Vermelhinhos defendem os pichadores. Justificativa é ideológica, não adianta argumentar é perda de tempo.
    Tudo explicado, chimarrão é diurético.
    Sinalizando com o indicador e o polegar? Sinal de OK?

  2. O Brando

    Posto Ipiranga não creio que tenha tentado atingir a OAB. Coisa de vermelhinhos e profissionais de outros conselhos menos prestigiados. E da militância enrustida, óbvio. Mistura de intriga com falsa polemica.
    Brizolista não gosta de milico, lembra da cinta do pai.
    De novo, chimarrão é diurético, mas parece que só funciona para alguns.
    Não vi o helicóptero, deve ser um UH-1H da Bell. substituído pelo UH-60 no 5ª do 8ª, Esquadrão Pantera. Apelido não oficial era ‘sapão’, se não me engano.
    Yep, um símbolo fálico broxa. Kuakuakuakuakuakua!
    Questão é que não importa o que está lá, como disse o editor, qualquer coisa que tivesse seria pichada.
    Parque da Gare de Passo Fundo, segundo a wikipedia 9 milhões, recursos próprios, BID e uma emenda do Beto Albuquerque.
    Nesta cidade já se inaugurou até iluminação pública.

  3. Ismael Halberstadt

    Boa Noite Claudemir!
    Muito agradecido pela pergunta dirigida ao Pericles, refente à Proposta do Posto Ipiranga!
    Sobre o “Falo” eu me referia ao mesmo com outros termos, porém de mesma significância. Minha humilde opinião é que falharam ao projetar um Pseudo “trevo” para um monumento, uma vez que não auxilia em nada o fluxo de veículos que passam pela entrada da ALA-4, onde por vezes há dificuldade de acesso por quem transita pelo sentido Restinga Seca – Santa Maria.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *