REPORTAGEM. A partir da avó, a história familiar da Primeira Dama Michelle Bolsonaro ganha manchetes

REPORTAGEM. A partir da avó, a história familiar da Primeira Dama Michelle Bolsonaro ganha manchetes

REPORTAGEM. A partir da avó, a história familiar da Primeira Dama Michelle Bolsonaro ganha manchetes - metrópoles-michele

Michelle Bolsonaro superou a pobreza, escapou da violência e de um ambiente de criminalidade. Em movimento improvável, ascendeu ao topo do poder. Muitos de seus parentes, no entanto, se somam a milhares de brasileiros presentes nas estatísticas dos marginalizados

Do jornal digital METRÓPOLES, com reportagem e texto de ARY FILGUEIRA e MIRELLE PINHEIRO e imagens (fotos e artes) de Reprodução

No último sábado (10/08/2019), o Brasil tomou conhecimento de que a avó materna da primeira-dama Michelle Bolsonaro aguardava cirurgia acomodada em um corredor do Hospital Regional de Ceilândia (HRC), na periferia do Distrito Federal. A notícia correu rapidamente pelas redes sociais. Em poucas horas, a idosa foi transferida e operada em outra unidade do governo, desta vez com toda assistência.

Para os tribunais do senso comum, no entanto, o desfecho médico não encerra o assunto.

Desde que Michelle subiu a rampa do Planalto ao lado do marido, Jair Bolsonaro (PSL), muitos brasileiros passaram a reparar na distância que a primeira-dama mantém de alguns de seus consanguíneos.

Embora esteja a meia hora do gabinete presidencial, boa parte do núcleo familiar de Michelle de Paula Firmo Reinaldo Bolsonaro não testemunhou o dia em que o marido dela tomou posse na Praça dos Três Poderes.

Desde então, as pessoas levantam hipóteses, julgam e, por vezes, condenam a atitude da primeira-dama. No último fim de semana, as redes sociais exibiram milhares de veredictos dos que se valem das aparências para sentenciar.

Qualquer família guarda seus segredos, tem suas graças e desgraças. A de Michelle não é diferente. Por ser pessoa pública, a curiosidade pelas origens dessa mulher é inevitável. A patrulha aumenta por causa da retórica de valorização da família, presente nas falas de Bolsonaro.

O que, até agora, não foi noticiado é a complexidade da história de Michelle. Ao sair de Ceilândia, ela deixou para trás um cenário de violência, sofrimento e criminalidade.

Dois tios maternos da primeira-dama do Brasil enfrentam problemas com a polícia. Um dos irmãos de sua mãe foi condenado por estupro, em 2018, a 14 anos de prisão. O outro encontra-se preso preventivamente por suposto envolvimento com a milícia.

Na década de 1980, a mãe de Michelle foi indiciada por falsificação de documento. Atualmente, está inscrita em programa habitacional do Governo do Distrito Federal com um RG emitido em Goiás que contém informações adulteradas.

Já nos anos de 1990, a avó materna da mulher de Bolsonaro cumpriu pena por tráfico de drogas – a mesma idosa que há alguns dias foi internada em hospital público do DF.

Foram duas sobrinhas do tio de Michelle que o denunciaram por estupro sofrido quando ainda eram crianças. Em 2015, o avô materno da primeira-dama morreu assassinado de forma brutal, fato que os investigadores concluíram ter sido latrocínio.

Vivendo em um contexto de carências, a família de Michelle também se tornou vítima da violência, um resumo do que é a realidade nas periferias desassistidas do Brasil.

Conheça a árvore genealógica de Michelle:

REPORTAGEM. A partir da avó, a história familiar da Primeira Dama Michelle Bolsonaro ganha manchetes - metropole-michele-árvore-genealógicaDurante três meses de apuração, o Metrópoles dedicou-se a entender o contexto da mulher que teve a chance de mudar completamente de status. Da infância, vivida em uma das regiões mais pobres e violentas do Brasil, ela deu um salto para o mundo palaciano…

… Na última quarta-feira (14/08/2019), Bolsonaro fez declaração pública que dava pista sobre a dificuldade de congregar dois universos apartados pelas circunstâncias.

“Ela deve ter uns 50 parentes só na Ceilândia. A família é enorme. Aqui estão abertas as portas se quiserem visitar a gente. Agora, a avó dela tem uma vida pessoal. É bastante idosa, uma pessoa completamente livre. Não sei o relacionamento dela com os seus oito filhos. É família, né? O meu pai dizia lá atrás: ‘Parente bom é parente longe…”

PARA LER A ÍNTEGRA, CLIQUE AQUI.



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *